Os congressistas americanos democratas e republicanos chegaram nesta quarta-feira a um texto de consenso para o plano de reativação econômica, mas isso não foi capaz de frear a derrubada das indústrias siderúrgica e automobilística, assim como os preços do petróleo.

De acordo com um senador democrata, que pediu o anonimato, as bancadas dos dois partidos chegaram a um acordo sobre um programa de 789 bilhões de dólares, que deve ser votado nos próximos dias, para então ser enviado o mais rápido possível ao presidente Barack Obama, que precisa promulgar o texto para que ele entre em vigor.

"Chegou a hora de tomar uma decisão firme e rápida", disse o presidente americano, durante uma visita a uma construção no norte do estado da Virgínia, ressaltando a importância de aprovar seu plano "urgente" e "essencial".

Apesar do bom andamento do plano, a Agência Internacional de Energia, em Paris, antecipou uma queda global da demanda por petróleo em 2009: -1% em relação ao ano anterior, a maior redução desde 1982.

"Temos um colapso da produção industrial, várias fábricas com as atividades paralisadas, a estabilização do consumo e, provavelmente, uma queda das exportações", disse a ministra francesa das Finanças, Christine Lagarde, refletindo o avanço inexorável da crise sobre a economia européia.

Na Grã-Bretanha, o Banco da Inglaterra indicou que a economia britânica, atualmente em recessão, pode cair, na pior das hipóteses, até 6% em ritmo interanual, antes de voltar a crescer, no início de 2010.

Os líderes da UE participarão de uma cúpula extraordinária no dia 1º de março, e os ministros do G7 se reunirão na próxima sexta-feira em Roma, ambos para discutir a crise mundial e as criticadas tentações protecionistas de alguns países, como os Estados Unidos e a França, para proteger sua indústria.

A ArcelorMittal, maior produtor de aço do mundo, anunciou prejuízos gigantescos no quarto trimestre de 2008, estimando que talvez precise demitir mais funcionários além dos 9.000 já anunciados.

A francesa PSA Peugeot Citroën, por sua vez, informou que cortará 11.000 postos de trabalho este ano na Europa, após revelar um forte prejuízo líquido em 2008.

Já o Credit Suisse, segundo maior grupo bancário suíço, anunciou nesta quarta-feira ter amargado um prejuízo líquido de 8,2 bilhões de francos suíços (7,07 bilhões de dólares) no ano que passou.

A crise também começa chegar com força na China, onde as exportações registraram em janeiro uma queda de 17,5%, o pior retrocesso em mais de uma década, e as importações despencaram 43,1%, sob o peso da crise mundial.

As más notícias influenciaram as bolsas mundiais, que já estavam nervosas com os ambiciosos planos de resgate do setor bancário e de reativação econômica nos Estados Unidos.

Emmanuel Ng, economista do banco OCBC de Cingapura, destacou a "grande decepção" provocada pelo plano bancário anunciado pelo governo Obama, afirmando que "manterá a aversão ao risco de forma evidente" nos mercados monetários.

Kathy Lien, da Global Forex Trading, disse que os investidores estão "decepcionados com a falta de detalhes, e céticos sobre a inclusão do setor privado" no plano de resgate bancário americano.

burs/ap/sd

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.