O Departamento do Tesouro dos EUA e a Corporação Federal de Seguro de Depósitos (FDIC) estão em conversações avançadas sobre um plano que poderá ajudar entre 2 milhões e 3 milhões de mutuários a evitar a execução de suas hipotecas, embora detalhes do programa ainda estejam sendo finalizados. A decisão sobre se seguiremos com esse programa é atualmente um processo político na Casa Branca, então não posso fazer comentários, disse Corinne Hirsch, a porta-voz do Escritório de Gerência e Orçamento.

Jennifer Zuccarelli, porta-voz do Tesouro, disse que detalhes do plano divulgados por alguns meios de comunicação são "imprecisos". Ela admitiu que o governo Bush considera novas medidas, além das já tomadas, para reduzir os níveis recordes de execução de hipotecas. "Como dissemos na semana passada, a administração procura formas de reduzir a execução de hipotecas e o processo está em andamento."

O porta-voz da FDIC, Andrew Gray, também se negou a discutir as negociações. "Embora tenhamos tido discussões produtivas com o Tesouro e o governo sobre as opções para aumentar o crédito e as garantias de crédito, seria prematuro especular sobre qualquer formato final ou parâmetros para um potencial programa."

Pessoas ligadas às discussões disseram que o plano pode envolver garantias federais parciais para hipotecas que seriam modificadas para que possam ser pagas pelos mutuários. Os recursos poderiam vir do programa de socorro de US$ 700 bilhões autorizado pelo Congresso no início do mês. Algumas estimativas sugerem que a ajuda aos mutuários poderia custar entre US$ 40 bilhões e US$ 50 bilhões.

A presidente da FDIC, Sheila Bair, falou sobre o assunto ao comitê bancário do Senado na semana passada. Ela evitou dar detalhes, mas sugeriu que garantias de crédito fariam parte do pacote.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.