Washington, 13 - O governo do presidente norte-americano George W. Bush informou que a China concordou em eliminar as restrições discriminatórias aos fornecedores estrangeiros de informação financeira, resolvendo uma disputa que havia provocado uma queixa dos EUA no início deste ano à Organização Mundial do Comércio (OMC).

"Estamos muito satisfeitos por termos assinado um acordo com a China hoje para permitir que fornecedores de informação financeira como Bloomberg, Dow Jones e Thomson Reuters operem na China livres de restrições desleais que ameaçavam colocá-los em séria desvantagem competitiva", disse a representante para o Comércio dos EUA, Susan Schwab.

Ela afirmou que a China se comprometeu a criar um regulador independente para supervisionar o setor de notícias financeiras, acrescentando que a medida "é importante para garantir um ambiente jurídico livre de potenciais conflitos de interesses prejudiciais".

O acordo foi codificado num memorando de entendimento assinado nesta quinta-feira, disse Schwab.

Pelo acordo, a China também vai eliminar a exigência de que as companhias norte-americanas usem um agente para fazer negócios, permitindo que adotem suas decisões de negócios independentes sobre como estruturar suas operações; confirma os direitos das companhias dos EUA de estabelecerem operações locais na China; e trata as companhias dos EUA no mínimo tão bem quanto trata as companhias chinesas. As informações são da agência Dow Jones. (Regina Cardeal)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.