Washington, 3 fev (EFE).- O Federal Reserve (Fed, o banco central americano) anunciou hoje a extensão até 30 de outubro de seu acordo de troca de divisas com o Brasil, em razão da persistência dos problemas nos mercados mundiais de dólares.

Estabelecido em 30 de outubro do ano passado, o acordo vencia no dia 30 de abril e seu objetivo é manter a provisão de dólares no exterior.

Para isso, o Fed colocou à disposição do Banco Central US$ 30 bilhões em troca de reservas em suas próprias moedas, mediante um acordo de divisas recíproco temporário, mecanismo conhecido em inglês como "swap line".

O banco central americano mantém acordos deste tipo de forma rotineira com as autoridades monetárias de países desenvolvidos como Canadá e Suíça, além do Banco Central Europeu (BCE), mas no ano passado ampliou pela primeira vez essa cooperação a países com moedas menos fortes.

Diante da grande procura pelo dólar como um refúgio pela instabilidade financeira, algumas entidades bancárias e empresas no exterior encontraram dificuldades para obter uma quantia suficiente da moeda para quitar suas obrigações nessa divisa.

A autoridade monetária americana anunciou a ampliação desse programa ao mesmo tempo em que estendeu suas outras medidas extraordinárias de intervenção nos mercados financeiros para injetar liquidez no sistema, como a compra de letras de câmbio e as garantias outorgadas aos fundos mútuos do mercado monetário ("money market"). EFE cma/mh

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.