Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Estudo para privatização de aeroportos dever sair no início de 2009

SÃO PAULO - O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) quer terminar no primeiro trimestre de 2009 o estudo para desenvolvimento do modelo de privatização dos aeroportos Tom Jobim, no Rio de Janeiro, e Viracopos, em Campinas (SP).

Valor Online |

De acordo com o presidente da instituição, Luciano Coutinho, o banco de fomento também poderá, em um segundo momento, financiar um concessionário privado que venha a ganhar a licitação para administrar os aeroportos.

Esperamos encerrar a modelagem até o primeiro trimestre do ano que vem. É um processo complexo, porque temos que estimar a demanda, fazer um projeto básico, um projeto executivo e preparar toda a apuração de custos. Não é uma coisa tão simples, disse Coutinho, que participou hoje do Fórum Especial, organizado pelo Instituto Nacional de Altos Estudos (INAE).

Ele comentou que a determinação passada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva é para um projeto de concessão de longo prazo, que vislumbre o panorama da aviação civil nacional em um horizonte de até 30 anos. Observou que o maior trabalho será no caso de Viracopos, que, segundo ele, terá que passar por um processo de modernização que equivalerá à construção de um novo aeroporto.

Coutinho voltou a afirmar que os R$ 15 bilhões que serão aportados pelo Tesouro Nacional na conta do banco serão suficientes para cobrir as necessidades da instituição para este ano e que o restante será usado para garantir parte do orçamento de 2009.

Mas nós temos ainda que trabalhar para completar os recursos de 2009, caso a economia brasileira continue crescendo tanto quanto eu espero que cresça, afirmou Coutinho.

O presidente do BNDES minimizou a redução do ritmo de crescimento dos desembolsos registrado no mês de julho. Segundo ele, o que ocorreu foi uma acomodação normal. Nada consegue crescer a 30%, 40% indefinidamente. Em algum momento, tem que acomodar, mas isso não significa um retrocesso, significa que chegou a um ponto sustentável, completou.

(Rafael Rosas | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG