Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Estrangeiras trocam a distribuição por produção

O ritmo de aquisições no aquecido setor de distribuição de combustíveis está formando um novo quebra-cabeças do setor, segundo especialistas. Nesse novo cenário, inclui-se o desaparecimento das grandes companhias estrangeiras do mercado brasileiro, mais interessadas nas atividades de extração e produção de combustíveis.

Agência Estado |

É o caso da Esso, que vendeu sua operação no País para a Cosan, em abril deste ano, e agora da Chevron, que passa sua rede Texaco para as mãos do Grupo Ultra.

"A saída dessas empresas mostra que elas estão migrando para um segmento de maior margem, como o de exploração, por exemplo", diz a diretora da consultoria Alvarez & Marsal, Fabiana Fakhoury. Segundo ela, o negócio de distribuição tem margens baixas, pois é pressionado por preço por fornecedores e clientes. "É muito difícil negociar vantagem competitiva no preço da matéria-prima." A especialista destaca, porém, o caso da Shell, que ainda mantém uma posição de compradora no mercado nacional.

Para o diretor do Centro Brasileiro de Infra-Estrutura (CBIE), Adriano Pires, outros fatores que motivam a mudança de foco dos grupos estrangeiros do País são risco regulatório e menor rentabilidade. "Os grandes competidores de petróleo estão vendendo na América Latina como um todo", afirma Pires. No Chile, ele cita a saída da Esso, vendida para a Petrobrás recentemente.

Também faz parte da nova composição do setor, na avaliação dos especialistas, o fortalecimento das distribuidoras regionais. Menores, elas são fortes em regiões com menor densidade populacional, como Centro-Oeste, Norte e interior do Nordeste. Segundo a consultora da Alvarez & Marsal, existem, atualmente, iniciativas de fusão entre essas empresas. "Como elas têm força onde atuam, ao se unirem, podem competir com distribuidora nacional", explica.

Em 2007, essa foi a estratégia das distribuidoras Ale, de Minas Gerais, e a Sat, do Rio Grande do Norte. Elas se uniram para formar a AleSat, que já nasceu como a sexta maior.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG