Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Estado fecha lanchonete irregular no Villa-Lobos

Após funcionar irregularmente por dez anos, a única lanchonete dentro do Parque Villa-Lobos, na zona oeste de São Paulo, ficará fechada por, no mínimo, dois meses; e o prazo de interdição pode ser estendido até fevereiro. O governo estadual decidiu, em junho, dar início ao processo de licitação para a escolha da empresa que vai gerenciar o espaço.

Agência Estado |

Não há prazo, no entanto, para a finalização do processo nem data definida para a execução do projeto original do parque, que prevê a construção de mais uma área de alimentação com lanchonete, restaurante e choperia.

Antes desse processo, os pequenos comerciantes responsáveis pelos quiosques que funcionam do lado de fora do parque, perto da entrada principal, também serão regularizados. Hoje, eles são a única opção para encontrar comida e bebida no Villa-Lobos. Apesar da área de 732 mil metros quadrados, não há vendedores ambulantes dentro do parque.

"Ele foi planejado para ter complexos de alimentação bem distribuídos, mas o processo de licitação é demorado e faltam investidores", disse o administrador do local, Flávio Scavasin. Segundo ele, as novas áreas de alimentação deverão ser ocupadas por grandes comerciantes do ramo alimentício. "É um investimento alto e, portanto, não suporta pequenos empreendedores", explica Scavasin, que descarta a possibilidade de permitir o trabalho de vendedores ambulantes no parque.

Apesar de ser a única opção de alimentação no Villa-Lobos, a falta da lanchonete não virou motivo de reclamação dos freqüentadores, diz Scavasin. "Reabriremos o estabelecimento. Com a situação regularizada, a lanchonete poderá oferecer novos produtos e melhorar a qualidade do atendimento." A reabertura pode ocorrer, por causa da licitação, apenas no fim do verão, após as reformas.

A fotógrafa Mônica Andrade, de 40 anos, que freqüenta o parque há 10, elogia a localização da lanchonete, mas faz críticas ao atendimento. "A comida não era boa, mas é ruim ter de comprar algo do lado de fora, antes de fazer exercícios. A vontade de beber ou comer alguma coisa só surge mais tarde, quando já estamos lá dentro", diz.

Ibirapuera

Vendedores ambulantes do Parque do Ibirapuera, na zona sul, terão a situação regularizada pela Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente. Atualmente, os comerciantes integram uma cooperativa e uma associação, organizada por eles em 2002. Segundo a secretaria, uma apresentação pública será realizada no dia 27, às 18h30, para esclarecer o processo de licitação que vai regularizar todas as atividades de comércio, incluindo o aluguel de bicicletas.

Ações da Guarda Civil Metropolitana iniciadas no último fim de semana impediram a venda de água, refrigerantes, salgadinhos e bebidas alcoólicas na área externa do Ibirapuera.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG