Washington, 10 set (EFE) - A especulação no mercado de petróleo é a principal responsável tanto da alta extraordinária do preço do petróleo no começo do ano quanto de sua queda desde julho, segundo um relatório independente divulgado hoje.

Legisladores democratas americanos utilizaram suas conclusões para provar que é necessário limitar a capacidade dos investidores institucionais para colocar dinheiro no mercado da commodity.

Elaborado pela empresa de consultoria Masters Capital Management, o estudo indica que, de janeiro a maio, os investidores compraram contratos de entrega futura de petróleo no valor de US$ 60 bilhões, enquanto o preço do hidrocarboneto subiu 50%.

Em 15 de julho, fundos de pensões e outros grandes investidores institucionais "iniciaram uma fuga precipitada em massa para a saída", em parte por causa de várias propostas legislativas que começaram a ser debatidas nos Estados Unidos para pôr fim à quantidade de dinheiro que podem investir no mercado de petróleo.

Desde então, esses investidores retiraram US$ 39 bilhões de capital, após a venda de 127 milhões de barris de petróleo nas bolsas de Nova York, segundo o relatório.

Hoje, o barril de Petróleo Intermediário do Texas (WTI, leve) fechou de novo em baixa, até cerca de US$ 102.

"Estes grandes atores financeiros se transformaram na fonte principal da recente volatilidade espetacular e prejudicial nos preços do petróleo", afirmou o relatório.

O estudo afirmou que o nível de oferta e procura não justifica os vaivéns do barril de petróleo, como também não explica a fraqueza do dólar.

Ele destacou, por exemplo, que a moeda americana não caiu mais de 7% este ano, enquanto o preço do barril subiu 50%.

"Se o Congresso intervém para restringir a especulação, a volatilidade se reduzirá e os preços dos alimentos e da energia descerão", concluiu o relatório.

Isso é precisamente o que queriam ouvir os congressistas democratas que impulsionam as mudanças legislativas.

O senador Byron Dorgan o usou como munição para atacar a Comissão do Mercado de Futuros em Matérias-Primas (CFTC), uma agência federal, que em um relatório preliminar em julho atribuiu os movimentos de preços à interação entre a oferta e a demanda, e não à especulação.

De acordo com Dorgan, o estudo da empresa de consultoria Masters "é outro exemplo de como os especuladores podem controlar o mercado, enquanto a agência federal que deveria proteger os consumidores americanos está morta".

Para a senadora Maria Cantwell: "Cerca de 80% dos americanos acreditam que os especuladores manipulam o preço do dinheiro, e o relatório do senhor (Michael) Masters prova que têm razão".

Amanhã haverá uma audiência no Comitê de Agricultura da Câmara Baixa sobre os preços dos alimentos e da energia, à qual estão convidados responsáveis da CFTC, a que com certeza os congressistas perguntarão sobre o tema. EFE cma/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.