Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Espanha e Irlanda serão os países da OCDE mais afetados pela crise

Espanha e Irlanda serão os países da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) mais afetados no longo prazo pela crise econômica devido à intensa perda de empregos, o que vai influir nos fluxos de chegada de imigrantes.

EFE |

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=economia%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237561639083&_c_=MiGComponente_C

Um relatório divulgado nesta quarta-feira pela OCDE aponta que os dois países sofrerão grandes perdas no Produto Interno Bruto (PIB) - o da Espanha terá queda de 10,6%, enquanto o da Irlanda sofrerá perdas correspondentes a 11,8%.

Estes retrocessos estão muito distantes da já significativa queda média de 3,1% do PIB prevista para o conjunto dos países da OCDE.

Em ambos os casos, esse diminuição da capacidade de crescimento econômico se deverá essencialmente ao efeito da perda de empregos, que diminuirá o PIB em 9,8% na Irlanda e em 8,4% na Espanha.

Na OCDE, a perda média no PIB provocada por este fator será de apenas 1,1%.

"O efeito negativo da crise sobre o emprego (na Espanha e na Irlanda) inclui uma grande redução da população ativa resultante principalmente" de mudanças nos fluxos de migração, aponta a organização em seu estudo dedicado às reformas necessárias para estimular o crescimento econômico.

Todas as economias da OCDE se verão afetadas pela queda de seu potencial de crescimento. As que melhor resistirão serão Japão (-2,1%), Estados Unidos (-2,4%), Canadá (-2,4%) e Nova Zelândia (-2,4%).

Reformas

Para a OCDE, "a urgência de reformas estruturais ganhou força com a crise". Seu economista-chefe, Pier Carlo Padoan, afirmou que essa urgência é particularmente mais greve para os países que ficaram sob pressão dos mercados por considerar que sua situação de endividamento não é sustentável.

Ao apresentar o estudo à imprensa, Padoan não citou nomes, mas falou que "não é difícil identificar quais países" carecem de "margem fiscal" para manter as medidas de apoio à atividade econômica e devem aplicar "imediatamente" ajustes fiscais e reformas estruturais para restabelecer sua situação financeira.

No caso da zona do euro, Padoan disse que basta observar quem apresenta um maior déficit público e os países com elevados números vermelhos na balança de conta corrente.

Espanha

Ao comentar a situação da Espanha, o economista-chefe da OCDE disse que "o mercado de trabalho claramente precisa ser reformado" para reduzir a dualidade entre os contratos temporários, muito frequentes, e a elevada proteção dos postos fixos de trabalho.

Padoan também se referiu à necessidade de mudanças nos setores imobiliário e financeiro, para que sejam "mais equilibrados no futuro".

A OCDE destacou que a Espanha não agiu apesar das repetidas recomendações feitas desde 2005 para eliminar a indexação dos salários à inflação passada ou para permitir que as empresas possam negociar por sua conta a evolução salarial à margem dos convênios coletivos.

No setor imobiliário, a organização sugere uma redução nos procedimentos para resolver disputas entre inquilinos e proprietários e a eliminação dos incentivos fiscais para a compra de casas, incentivando o mercado de aluguel.

Leia tudo sobre: crise nos euaeuropagrécia

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG