Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Eslováquia celebra integração total à zona euro

A Eslováquia celebra sua entrada na zona euro na quinta-feira, próximo dia 1º de janeiro, uma data que marcará a última etapa da integração européia depois de 16 anos de sua adesão e quando o euro também festejará seu 10º aniversario

AFP |

Quase 20 anos depois da queda do comunismo, fogos de artifício com as cores da União Européia vão comemorar em Bratislava a entrada deste país da Europa do Leste na zona euro que, a partir de então, contará com 16 Estados membros e 323 milhões de pessoas.

O primeiro-ministro Robert Fico (esquerda) saudou o fato de seu país poder colocar-se sob o escudo da moeda única "neste período de profunda crise econômica e financeira".

"Estar na zona euro será de grande ajuda para a Eslováquia", declarou em recente entrevista à AFP.

Desde sua entrada na União Européia em 2004, este país de 5,4 milhões de habitantes conseguiu alinhar-se aos critérios de Maastricht graças a grandes reformas efetuadas pelo governo liberal anterior, que estimularam os investimentos estrangeiros e um forte desenvolvimento econômico.

A inflação continua elevada, mas, assim como na zona euro, foi reduzida em outubro (5,1%) e novembro (4,9%).

Para limitar os riscos de que os preços disparem, o governo eslovaco adotou várias medidas, como um controle estrito dos preços da energia.

No contexto atual, o euro se apresenta vantajoso para este país que, com sua mão-de-obra barata, atraiu trabalhadores, principalmente nos setores automotivo e eletrônico.

Para o grupo alemão Volkswagen, que se tornou o principal exportador do país desde sua instalação em 1991, "a chegada do euro terá impacto positivo", segundo sua porta-voz local Daniela Rutsch: menos custos bancários, "mais estabilidade para o planejamento e uma grande simplificação das transações internas".

A montadora alemã quer fabricar na Eslováquia seus novos modelos família, com um investimento de 300 milhões de euros e a criação de 2.000 novos empregos.

Até agora, o país resistiu mais ou menos bem à crise mundial, embora a produção de automóveis, como em outros países, se contraiu fortemente em outubro (-12,8%).

Depois de um crescimento recorde de 10,4% em 2007, a economia eslovaca continua sendo uma das mais florescentes da Europa, com crescimento previsto de 7,4% em 2008, num momento em que várias das grandes economias mundiais mergulham na recessão.

Apesar das reticências iniciais, os eslovacos vêem com melhores olhos a chegada do euro. Segundo sondages realizadas em novembro, 58% o consideram positivo e 35%, negativo.

Assim como Chipre, Malta e Eslovênia, a Eslováquia introduzirá simultaneamente o euro nos pagamentos em dinheiro e nas operações bancárias. O câmbio será de um euro por 30,126 coroas.

O prazo de adaptação é de duas semanas.

No dia 16 de janeiro, as moedas e bilhetes em vigor desde a independência do país em 1993, depois da divisão pacífica da Tchecoslováquia, deixarão de circular.

sof/mpd/sd/cn

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG