Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Escassez crédito para exportação preocupa governo

SÃO PAULO - A escassez de crédito para as empresas exportadoras é o reflexo da crise internacional financeira na economia brasileira que mais preocupa o governo neste momento, disse hoje o ministro da Fazenda, Guido Mantega, por meio de nota. Nosso principal problema é a falta de liquidez, principalmente para financiar as exportações, disse o ministro.

Valor Online |

Segundo ele, foi por conta disso que o Conselho Monetário Nacional (CMN) fez uma reunião extraordinária hoje para fazer um ajuste na regulamentação da medida que autoriza o uso das reservas internacionais para dar funding aos bancos brasileiros. Com a mudança de hoje, o Banco Central (BC) estará autorizado a determinar que os recursos captados pelas instituições financeiras brasileiras nessas operações "sejam direcionados, no todo ou em parte, para operações de comércio exterior".

Ainda na Resolução nº 3.624, publicada hoje, o CMN faz um ajuste adicional na regulamentação da linha de redesconto emergencial dos bancos - que permite o uso de carteiras de crédito como garantia.

Debêntures emitidas por empresas não financeiras também poderão ser aceitas como contraparte se um banco precisar tomar dinheiro na linha de crédito de última instância do Banco Central.

"As medidas anunciadas visam facilitar o acesso ao crédito pelos exportadores e pelas empresas que possam estar tendo problemas de capital de giro", afirmou Mantega.

Segundo nota da Fazenda, a decisão sobre estas novas medidas foi tomada após reunião de Mantega com o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles. Estiveram na pauta do encontro o cenário da crise financeira internacional, as medidas já adotadas pelo governo brasileiro e a conjuntura econômica do país.

Participaram da reunião os secretários Nelson Barbosa (Acompanhamento Econômico), Arno Augustin (Tesouro Nacional) e Bernand Appy (de Reforma Econômico-Fiscais), do Ministério da Fazenda, além dos diretores do Banco Central Alexandre Tombini (Normas) e Mário Torós (Política Monetária).

(Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG