Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

ENTREVISTA-Gevo busca parceiros em etanol no Brasil

Por Inaê Riveras SÃO PAULO (Reuters) - A Gevo Inc, uma empresa norte-americana que desenvolve biocombustíveis de segunda geração, quer comercializar no Brasil uma nova tecnologia que pode tornar o álcool um combustível mais potente, afirmou um executivo da companhia na quinta-feira.

Reuters |

Com pequenas alterações nas usinas, a tecnologia permitiria que elas produzissem isobutanol, um biocombustível com poder energético equivalente ao da gasolina e, portanto, superior ao do etanol.

Tendo como investidores a Khosla Ventures e a Virgin Green Fund (que começou como Virgin Fuels), a idéia da Gevo é exportar o isobutanol produzido no Brasil para os Estados Unidos, onde o produto pode substituir um aditivo misturado à gasolina cujo uso é obrigatório.

'O modelo de negócio consiste numa adaptação das usinas de etanol aqui por um custo muito baixo e, em vez de produzirem etanol poderiam fazer isobutanol, que pode ser vendido com um prêmio em relação à gasolina', disse o vice-presidente da Gevo, Brett Lund.

A companhia estima que o investimento necessário para isso fique em cerca de 10 centavos de real por litro. Assim, pelas contas da empresa, o retorno do investimento se daria integralmente já no primeiro ano de produção.

Outra vantagem é que o produto é isento de tarifa de importação para entrar nos Estados Unidos. Isto criaria uma brecha para os brasileiros, que enfrentam um imposto de 54 centavos de dólar por galão nas vendas diretas de álcool para os norte-americanos.

'Descobrimos uma maneira de exportar açúcar do Brasil num formato diferente porque, independente de ser etanol ou butanol, ele pode ir para a Europa e os Estados Unidos e competir (em condições iguais com o etanol local)', disse Dimitri Pauwels, conselheiro da Virgin na América Latina.

LONGE DA CONCORRÊNCIA

Este seria o primeiro passo de Richard Branson no setor brasileiro de álcool.

O bilionário britânico e fundador do Virgin Group é um defensor das vantagens do biocombustível brasileiro, que utiliza a cana-de-açúcar como matéria-prima, frente ao seu similar fabricado a partir do milho, menos eficiente do ponto de vista energético e de custos mais elevados.

'Em vez de fazer um investimento em uma empresa de etanol, esta tecnologia pode beneficiar muitas delas. A Virgin pode se transformar em uma fornecedora de tecnologia para todos os players do Brasil, e não só a operadora de uma usina', disse Pauwels.

'Acreditamos nos benefícios da cana e capitalizamos sobre eles, mas estamos nos distanciando da concorrência pesada e das margens comprimidas enfrentadas por todos os grupos (produtores de álcool)', acrescentou.

O isobutanol também é matéria-prima para a fabricação de biodiesel, bioquerosene de aviação, plásticos e fibras.

Uma das principais diferenças entre a nova tecnologia e a convencional empregada pelas usinas brasileiras é o uso de microorganismos em vez de enzimas na transformação da sacarose da cana em álcool.

A Gevo já produz biodiesel e bioquerosene de aviação usando essa tecnologia em uma planta piloto em Denver, nos EUA. Agora pretende atingir escala comercial, numa unidade própria ou na de um parceiro, dentro de 18 a 24 meses.

'No momento, estamos fazendo esses produtos com milho, mas na realidade é mais fácil fazê-los com cana', disse Lund.

'Para transformar milho (amido) em combustível, você tem que primeiro transformá-lo em açúcar. Com a cana, você pula essa etapa. É menos energia, menos tempo, menos custo.'

Os executivos estiveram esta semana no Brasil para conhecer mais do setor e identificar potenciais parceiros.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG