Tamanho do texto

SÃO PAULO - A Energias do Brasil fechou o segundo trimestre deste ano com prejuízo de R$ 4 milhões, ante lucro líquido de R$ 112 milhões em igual período do ano passado. O resultado contábil do período entre abril e junho deste ano sofreu impacto negativo de uma amortização adicional de ágio (que não tem desembolso de caixa) referente à Enersul, que acabou sendo alienada em uma operação de permuta com o Grupo Rede.

Sem este e outros efeitos não recorrentes, o lucro ajustado da Energias do Brasil no segundo trimestre foi de R$ 129 milhões, com alta de 15% sobre o ganho do ano anterior.

A receita líquida operacional da companhia foi de R$ 1,202 bilhão no segundo trimestre, mostrando alta de 3,9% sobre o total do mesmo período de 2007, de R$ 1,157 bilhão. Os gastos operacionais da empresa saltaram 18% no mesmo período de comparação, para R$ 1,092 bilhão.

O resultado da Energias do Brasil medido pelo Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) foi de R$ 323 milhões, com alta de 3,8% sobre o segundo trimestre do ano passado. A margem Ebitda, que mede a relação entre este indicador e a receita líquida, se manteve em 26,9%.

(Valor Online)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.