Tamanho do texto

O Pão de Açúcar oficializou ontem a troca de comando no grupo. Enéas Pestana, vice-presidente de operações da rede varejista, assume o lugar de Claudio Galeazzi, que deixa o comando depois de pouco mais de dois anos à frente da companhia.

"A escolha do novo presidente saiu por consenso entre os executivos e os membros do conselho", disse Abilio Diniz, presidente do conselho de administração do grupo.

Galeazzi continuará a dar suporte à rede varejista como consultor e membro convidado do conselho administrativo. Já Pestana tem um grande desafio pela frente. Assume o maior grupo de varejo do País, responsável por receitas anuais que giram em torno de R$ 40 bilhões, incluindo na conta a última aquisição do grupo, as Casas Bahia. O novo presidente informou que vai focar a sua gestão na estruturação do canal de vendas pela internet, na expansão das redes Assai (atacado) e Extra Fácil (lojas de proximidade), no aumento de sinergia entre as redes de eletrodomésticos Ponto Frio e Casas Bahia, na manutenção do programa de controle de despesas e na busca pelo aumento da eficiência. Além da intenção clara de expansão do grupo. "Estamos sempre atentos às novas oportunidades que surjam no mercado", disse Pestana. As redes de drogarias e os postos de combustíveis são alvos de interesse do grupo.

Para o consultor de varejo Eugenio Foganholo, diretor da Mixxer Desenvolvimento Empresarial, o grande desafio de Pestana será fazer uma boa gestão em vários segmentos em que o grupo atua, com diferentes públicos e num ambiente de negócios que anda a uma velocidade muito grande. Segundo Foganholo, Pestana tem o perfil certo para enfrentar esses desafios. "O Abilio é forte e carismático. Pestana é moderado e um bom interlocutor para falar com líderes das diferentes bandeiras que estão sob o comando do Pão de Açúcar", avalia.

Pestana chega à empresa num momento em que o varejo passa por grandes mudanças. Entre elas, um mercado com novas categorias de produtos, novos formatos de comércio e uma classe emergente cada vez mais presente no cenário econômico. Transformações que, na opinião de Foganholo, o Pão de Açúcar, está conseguindo acompanhar muito bem. Ele cita como exemplo a pulverização dos investimentos do grupo. "Até 2008, 50% do faturamento da empresa vinha do Extra. No final deste ano, as receitas do hipermercado devem representar entre 22% e 23%", calcula o consultor.

MUDANÇA CALCULADA
A saída de Galeazzi não chegou a surpreender o mercado. Quando entrou no Pão de Açúcar, em dezembro de 2007, o contrato tinha data de validade de dois anos e o compromisso do executivo era de preparar um sucessor dentro da própria casa. No início de 2009, durante a crise global, cogitou-se prorrogar a permanência de Galeazzi até o final de 2010.

No final do ano passado, o grupo divulgou que Pestana seria o novo presidente, mas essa mudança era prevista apenas para o final deste ano. Mas o próprio Galeazzi começou a sugerir nos corredores da empresa que a sua presença ali não era mais necessária. "Sou um homem de transformação, não um executivo de longo prazo", disse Galeazzi, um especialista em reestruturações que exerceu a mesma função nas Lojas Americanas e na Artex.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.