Washington, 29 dez (EFE).- O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) aprovou este ano um valor recorde de US$ 12,2 bilhões em empréstimos para projetos na América Latina como resposta à crise financeira, informou hoje a entidade.

O BID respondeu à queda do crédito estrangeiro disponível para os países e empresas da região com um aumento significativo de seus programas.

Os US$ 12,2 bilhões aprovados este ano representam aproximadamente 25% a mais que os US$ 9,6 bilhões de 2007.

O organismo destinou mais da metade do dinheiro a projetos de energia, transporte, mercados de capitais e sistemas de informática.

"Trabalhamos com nossos países-membros para manter o progresso que alcançaram nos últimos anos na luta contra a pobreza", disse o presidente do BID, Luis Alberto Moreno, em comunicado.

O organismo prevê que 2009 será outro ano difícil para a América Latina, já que haverá uma queda nos fluxos de investimento externo e na demanda pelas matérias-primas exportadas por países da região.

Além disso, a entidade acha que a área crescerá entre 2% e 2,5% em 2009, bem abaixo dos 4,5% deste ano - previsões mais otimistas em relação às de outras entidades.

A Comissão Econômica Para a América Latina e o Caribe (Cepal) estima que o crescimento da região será de 1,9% em 2009, enquanto o Instituto de Finanças Internacionais (IIF, em inglês), maior associação de bancos do mundo, prevê uma expansão de apenas um 1%.

Para o ano que vem, o BID anunciou o lançamento de um "grande" fundo de doações, em conjunto com a Espanha, para melhorar os sistemas de saúde da América Latina. A China, que entrou este ano no banco, passará a ser um país doador, segundo o comunicado.

Moreno disse que, em curto prazo, o banco terá como enfoque principal apoiar programas governamentais destinados a proteger os pobres do impacto da crise econômica mundial. EFE cma/dp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.