Publicidade
Publicidade - Super banner
Empresas
enhanced by Google
 

Típico do Nordeste: acarajé, tapioca, robótica e TI

Robótica, realidade virtual e biotecnologia estão entre as áreas que contribuem para mudar a percepção sobre a região

Carla Falcão, iG São Paulo |

Faça sua aposta. Em qual estado do País está localizada a sede de uma das maiores empresas de realidade virtual da América Latina, com clientes como Fiat e Petrobras? Se você apontou um estado da Região Sudeste ou Sul, está na hora de conhecer um Nordeste bem diferente daquele visto pelos turistas em busca de sol e belas praias.

Assim como a baiana Absolut Technologies, a empresa de realidade virtual mencionada acima, uma série de companhias “porretas” e criativas vem mostrando ao País _e, em alguns casos, ao mundo_ que o Nordeste é, também, um pólo de inovação.

Tecnologia da Informação (TI), biotecnologia, petróleo e gás e serviços de forma geral são algumas das áreas nas quais as empresas nordestinas mais se destacam, em criação e desenvolvimento de novos produtos e soluções.

Coordenadora nacional do Prêmio Finep de Inovação, que anualmente reconhece as empresas brasileiras mais inovadoras, Vera Marina da Cruz e Silva afirma que o Nordeste vem se firmando como um importante centro de desenvolvimento de novos produtos e serviços no País.

Divulgação
Sala de realidade virtual desenvolvida pela empresa baiana Absolut Technologies

Como parâmetro, ela cita o crescimento do número de empresas da região inscritas anualmente no prêmio. De 12 inscrições em 2001, o Nordeste saltou para 110, em 2009. Em 2008, quando as regras do concurso mudaram e cada empresa passou a se inscrever em uma única categoria, os empreendedores e pesquisadores nordestinos foram responsáveis por 22,66% das inscrições no prêmio. “Quando analisamos os vencedores dos últimos anos, também notamos um relevante aumento da participação do Nordeste” afirma.

 

Entre os vencedores nordestinos das últimas edições do Prêmio Finep de Inovação há desde empresas que desenvolveram soluções para a área médica a inventores que criaram novos métodos de drenagem para porões de navios petroleiros e mineraleiros. O engenheiro naval maranhense José Luiz Mattos, autor dessa invenção utilizada por empresas do porte da Vale, representou o Brasil no Taipei International Invention Show. Ele já prepara novos projetos. “Meu próximo desafio é apresentar o sistema que desenvolvi para tratamento de água de lastro, considerada hoje um dos grandes poluidores dos mares”, diz Mattos, que tem uma consultoria em pesquisas navais em São Luiz.

Inovações com sabor local

Além da área de petróleo e gás, outros setores que concentram inovações no Nordeste são TI, biotecnologia e todos aqueles voltados para a agroindústria. Francilene Procópio Garcia, diretora da Fundação Parque Tecnológico da Paraíba (ParqTecPB), diz que, diante da ainda pequena infraestrutura para indústrias, a região voltou-se para serviços de alto valor agregado. “Neste contexto, a área de TI, por exemplo, recebeu grande destaque, como no caso do Porto Digital, em Recife”, afirma.

Francilene afirma ainda que, de forma geral, as inovações nordestinas costumam levar em consideração as especificidades regionais. “Os empreendedores buscam, nas características locais, os diferenciais para seus produtos e serviços”, diz.

Divulgação
O Ceará é um dos maiores produtores de tilápia do País

Um exemplo é a cearense Piscis, que desenvolveu um processo para beneficiar as vísceras de tilápias, peixe produzido em grande quantidade no Estado. André de Freitas Siqueira, responsável pelo projeto, conta que as vísceras do peixe, antes um grande problema ambiental, geram agora um óleo que serve para produção de biocombustível e fabricação de sabão e ração animal.

Recentemente selecionada para receber recursos do Programa Primeira Empresa Inovadora (Prime) da Finep, a Piscis está localizada na cidade de Jaguaribara, onde se encontra o maior açude do Ceará. Por mês, são beneficiados na empresa 7 mil quilos de vísceras.

Segundo Siqueira, doutorando em Biotecnologia pela Rede de Biotecnologia no Nordeste, o óleo já está sendo vendido para uso na alimentação de alguns animais como suínos e aves.

 

Leia tudo sobre: nordesteinovaçãorealidade virtualFinepbahiaceará

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG