Publicidade
Publicidade - Super banner
Empresas
enhanced by Google
 

Terreno onde seria construído memorial da TAM está abandonado

Área, que antes abrigava prédio da companhia onde o airbus se chocou em 2007, virou depósito de lixo e entulhos

AE |

Prestes a completar três anos do acidente com o Airbus da TAM que matou 199 pessoas, continua abandonado o terreno no número 7.305 da Avenida Washington Luís, no Campo Belo, zona sul, onde havia o prédio da empresa no qual o avião se chocou. A área, com tamanho de um campo de futebol, é usada como banheiro por moradores de rua e as calçadas do entorno viraram ponto de descarte de entulho.

No dia 17 de julho de 2007, as 187 pessoas a bordo do voo 3054 da TAM e outras 12 que estavam no prédio da empresa morreram quando, ao tentar pousar no Aeroporto de Congonhas, o Airbus derrapou, atravessou a avenida e bateu contra a edificação. Hoje, não há no local sinal da praça ou do memorial prometidos pela Prefeitura em homenagem às vítimas. "Desde a demolição do prédio, a Prefeitura não fez mais nada no terreno. É normal ver carroceiros jogando lixo nas calçadas e moradores de rua passando pelos tapumes (que cercam a área)", afirma Tiago Gomes Beneduce, de 28 anos, que trabalha na vizinhança.

Além disso, os moradores e pessoas que trabalham na região também reclamam da falta de segurança, principalmente à noite, pois o terreno não é iluminado nem dispõe de vigilância. "Antes, ainda havia um poste de luz dentro do terreno e um guarda. Mas já faz um bom tempo que os holofotes (em 2008) foram roubados e a segurança foi embora", diz a corretora de imóveis Célia Mara de Souza, de 46 anos.

Há relatos de furtos em carros estacionados no quarteirão formado pela Avenida Washington Luís e pelas Ruas Otávio Tarquínio de Sousa, Baronesa de Bela Vista e Barão de Suruí. Como o da dona de casa Marli de Dias, de 58 anos, moradora da Tarquínio de Souza. "Não pode deixar nada à mostra." A Secretaria da Segurança Pública não informou o número de ocorrências na região. "Esse terrenão baldio e as incertezas do que será feito da área desvalorizam as residências", diz Célia.

Há seis meses, ela tenta vender um imóvel na Tarquínio de Sousa. Para Hubert Gebara, vice-presidente do Sindicato das Administradoras de Imóveis, a desvalorização ocorre pelo "efeito psicológico da tragédia". "A Prefeitura precisa revitalizar a área para atenuar as lembranças", afirma.

Leia tudo sobre: TAMacidenteterrenoairbusmemorial

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG