Sony confirma corte de 10 mil empregos no mundo todo

Empresa apresentou novo plano estratégico e vai apostar nos setores de imagem digital e videogames

EFE |

A Sony confirmou nesta quinta-feira que cortará 10 mil empregos no mundo todo como parte da nova estratégia para reforçar suas divisões principais e obter vendas de 6 trilhões de ienes (US$ 74,1 bilhões) em 2014.

Leia também: Sony amplia previsão de prejuízo líquido para US$ 6,38 bilhões

Em uma apresentação de seu novo plano estratégico, o presidente do grupo, Kazuo Hirai, confirmou a redução de elenco, que representa 6% de sua força de trabalho, e indicou que a empresa se concentrará em seu setor eletrônico e trabalhará, entre outras coisas, para revitalizar sua produção de televisores.

A multinacional japonesa anunciou nesta mesma semana que espera para o ano fiscal de 2011, que terminou em 31 de março, um prejuízo recorde de 520 bilhões de ienes (US$ 6,5 bilhões). A nova estratégia da Sony apostará em fortalecer os setores de imagem digital, videogames e dispositivos móveis, e neles concentrar o investimento e o desenvolvimento tecnológico.

Com estes segmentos, a empresa espera gerar até 70% das vendas totais e 85% do lucro operacional da área de eletrônica até 2014. No setor de televisores, que registra perdas há sete anos, a Sony desenhou um plano de desenvolvimento para, segundo Hirai, "recuperá-lo e depois empreender o crescimento" a fim de voltar a lucrar no ano fiscal de 2013.

Crise: Sony pretende cortar 10 mil empregos globais até dezembro

O objetivo é reduzir os custos fixos desta divisão em 60% e os custos operacionais em 30%, detalhou a companhia em comunicado. A gigante da eletrônica também planeja expandir suas operações nos mercados emergentes, responsáveis por 1,8 trilhão de ienes (US$ 22,2 bilhões) em vendas no ano fiscal de 2011, a 2,6 trilhões de ienes (US$ 32,1 bilhões) em 2014.

A nova estratégia prevê ainda criar e desenvolver novos segmentos, como o setor médico e o de tecnologia "4K" (que oferece uma resolução quatro vezes superior ao formato HD), e otimizar seus recursos com medidas como concentrar os investimentos.

Leia tudo sobre: japãosonycortes

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG