Publicidade
Publicidade - Super banner
Empresas
enhanced by Google
 

Segurança hi-tech cresce no País

Biometria e monitoramento à distância impulsionam desenvolvimento do setor de segurança eletrônica no Brasil

Juliana Kirihata, iG São Paulo |

Você entra no carro para ir ao trabalho e dá a partida ao ter sua digital identificada por um aparelho acoplado ao painel. Ao chegar à empresa, nada de crachás. A entrada é liberada automaticamente após seu rosto ser registrado por câmeras e comparado aos de todos os funcionários cadastrados no sistema. E, no trabalho, entre uma tarefa e outra, você pode atender a campainha de casa pelo celular.

Facilidades como essas já existem e têm, em comum, a tecnologia aplicada ao setor de segurança eletrônica, mercado que vem crescendo no Brasil. Caso da biometria, definida como o estudo estatístico das características físicas das pessoas para identificação. Já bastante utilizada no controle de acesso de empresas e na identificação criminal, a biometria deve começar a se popularizar também nas residências.

“Com a crescente demanda, os custos serão reduzidos, facilitando o acesso de pessoas físicas a essas tecnologias”, avalia Selma Migliori, presidente da Associação Brasileira das Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança (Abese).

Chave digital para veículos

Um bom exemplo é a identificação por meio de digitais para veículos automotivos. Antes restrita aos modelos de luxo, a tecnologia já está disponível para ser instalada em qualquer automóvel. A Fingertech, empresa de Londrina (PR), desenvolveu uma trava eletrônica que pode ser instalada em qualquer veículo e que reconhece as digitais de até 50 motoristas cadastrados. O acessório, que em breve deverá chegar às lojas, tem preço sugerido de R$ 700.

Divulgação
Aparelho identifica motoristas pelas digitais
De acordo com Osmar Braga, diretor comercial da empresa, uma das vantagens do produto em relação a uma trava tradicional é a possibilidade de utilizar o “modo pânico”, quando uma digital é cadastrada para situações de emergência. Nesse caso, o veículo é desligado automaticamente dez minutos após a partida. “Em uma versão próxima, vamos integrar o sistema ao alarme”, diz Braga.

A biometria facial é outro segmento que tem registrado crescimento. Nessa linha, uma das inovações é o software de controle de entrada e saída de pessoas criado pela Hisco Latin America. O sistema permite que as câmeras captem a imagem do rosto de uma pessoa – mesmo que em movimento – e façam a identificação a partir de um banco de imagens cadastradas. “Se a pessoa não estiver cadastrada, o sistema logo avisa e o responsável pela segurança do local pode tomar as devidas providências”, afirma Renato Maio, diretor superintendente da Hisco.

Câmeras vigilantes

A Abese aponta a evolução do monitoramento por imagens como outro destaque do mercado de segurança eletrônica. Mesmo longe de casa, por exemplo, já é possível saber se alguém está tocando a campainha. Isso graças a um aparelho que aciona o celular no caso de ninguém estar na residência no momento em que o interfone toca. “Os assaltantes preferem entrar em casas vazias. O objetivo do sistema é passar a impressão de que há alguém no local”, afirma Vinicius da Silveira, gerente de produto da Leucotron, empresa mineira que desenvolveu o projeto.

As inovações nessa área têm contribuído para o aumento das vendas no setor. Segundo a Abese, o mercado de segurança eletrônica cresceu 7% no último ano. “Com a regulamentação do setor e a realização da Copa e das Olimpíadas no Brasil, esperamos chegar a 20% de crescimento nos próximos cinco anos”, afirma Selma.

 

Leia tudo sobre: segurançabiometriamonitoramentodigitais

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG