A companhia francesa Rhodia deverá investir US$ 200 milhões nos próximos três ou quatro anos no Brasil, informou nesta terça-feira o presidente do grupo, Jean-Pierre Clamadieu, em visita ao País. O executivo não detalhou o destino do dinheiro, mas sinalizou que as linhas de poliamida, plásticos de engenharia e fios têxteis devem ser algumas das beneficiadas com o plano de expansão da companhia.

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=economia%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237574042720&_c_=MiGComponente_C

O valor a ser investido está alinhado com o aporte da Rhodia no Brasil nos últimos anos, de aproximadamente US$ 50 milhões anuais.

Maior mercado mundial da Rhodia em volume de vendas, o Brasil também aparece como alternativa para novas aquisições da empresa francesa. "Estamos olhando oportunidades, mas observamos opções de aquisições bem focadas", ressaltou o executivo, alertando que a prioridade é encontrar empresas que ajudem a Rhodia a crescer em mercados prioritários.

Clamadieu destacou que o mercado brasileiro foi um dos primeiros a sair da crise, juntamente com o asiático. O ambiente de negócios ao longo do terceiro trimestre deste ano, segundo ele, já apresentou indicadores semelhantes aos apurados no período pré-crise.

Apesar da melhoria do cenário, a companhia mostra-se preocupada com a recente valorização do real em relação ao dólar. "A principal questão agora é se o Brasil pode ser uma plataforma para exportação. Hoje, exportamos 30% da produção brasileira", afirmou o executivo, ressaltando que essa participação ainda é pequena.

Outras barreiras às pretensões do grupo francês, de transformar a unidade brasileira numa base para outros mercados, são a carga tributária e a estrutura logística no País. Atualmente, o Brasil representa 17% do faturamento da Rhodia que, em 2008, somou 4,76 bilhões de euros. A subsidiária opera cinco fábricas no Brasil.

Leia mais sobre: Rhodia

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.