Publicidade
Publicidade - Super banner
Empresas
enhanced by Google
 

Paraíba tem cidade high-tech no agreste

Polo tecnológico de Campina Grande é referência em “computação em nuvem", uma das áreas mais promissoras de TI

Bruna Bessi, iG São Paulo |

Segunda maior cidade da Paraíba, Campina Grande reserva surpresas para quem espera encontrar apenas o cenário típico do agreste nordestino. Com universidades públicas modernas e bem-equipadas, incentivos fiscais e um parque tecnológico com tradição em inovação, Campina Grande firmou-se como um dos mais importantes pólos tecnológicos do Nordeste e também do Brasil, segundo dados da Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec). Não por acaso, a região tem atraído grandes empresas interessadas nas tecnologias criadas na Paraíba. Hewlett-Packard (HP), Petrobras e Nokia são apenas alguns dos grupos que já descobriram essa cidade high-tech nordestina.

Divulgação
LSD é centro de excelência mundial em TI

O desenvolvimento da cidade baseia-se, em grande parte, nos já tradicionais cursos de tecnologia da informação das universidades públicas paraibanas, que não só retêm jovens talentos, como também atraem estudantes de regiões próximas e pesquisadores. Essa situação levou a Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), por exemplo, a expandir sua capacidade. Em 2005, eram oferecidas 70 vagas e neste ano serão 180, representando um crescimento de mais de 150%.

O trabalho de pesquisa e desenvolvimento, com foco em inovação, é uma das prioridades nessas universidades. Entre as que mais se destacam estão a UFCG e a Universidade Federal da Paraíba (UFPB), juntamente com a Fundação Parque Tecnológico da Paraíba (PacTcPB).

Centro de excelência mundial

Para fomentar o desenvolvimento em tecnologia da informação (TI), área correspondente a 20% da economia do município, a UFCG conta com um Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD), que é um dos centros de excelência mundial na área de computação. Nesse ambiente, foi criado o software gratuito OurGrid que permite a construção de “grades computacionais”, sistema em que uma grande quantidade de computadores pode ser agregada, tornando viável a execução de programas que necessitariam de muito processamento para serem completados.

A aplicação da tecnologia usada no projeto OurGrid só foi possível graças à chamada “Computação na Nuvem”, ou seja, uma computação acessada através da internet. Essa tecnologia permite que o usuário não tenha preocupações quanto à capacidade de seu computador e aproveite o serviço disponível, já que consegue usar softwares que necessitariam de um computador com grande capacidade de processamento. Com a “computação na nuvem” o usuário só precisa saber quais são as condições contratuais que definem o serviço utilizado.

No laboratório da UFCG há a possibilidade da utilização prática das tecnologias desenvolvidas. Nos últimos anos o LSD tem trabalhado em parceria com empresas como Hewlett-Packard (HP), Petrobras e CHESF. “A interação com a indústria tem sido fundamental para nos ajudar a desenvolver pesquisas relevantes para a sociedade”, diz Francisco Brasileiro, coordenador do Laboratório.

Caso de sucesso

A Nokia é outra grande empresa com presença em Campina Grande. A empresa finlandesa escolheu o Nordeste para instalar uma das quatro unidades nacionais do Instituto Nokia de Tecnologia (INdT), centro de pesquisa sem fins lucrativos, que atua junto a diversas universidades com a proposta de estimular o desenvolvimento de áreas ligadas à internet e à tecnologia móvel. Na parceria com a UFCG, o Instituto oferece o apoio de profissionais especializados que auxiliam a universidade nos projetos, além de pagar bolsas aos estudantes envolvidos. “Campina Grande foi nosso melhor caso de sucesso. Há um ambiente ótimo na Paraíba. Investir nos alunos da universidade deu a eles oportunidade de criar negócios, e de subcontratarmos parte desse trabalho”, diz Aldenor Martins, gerente de novas tecnologias do Instituto.

O Parque Tecnológico também desempenha importante papel no desenvolvimento da região. A instituição sem fins lucrativos é direcionada ao avanço científico, tecnológico e à promoção do empreendedorismo inovador na Paraíba. Entre os serviços disponibilizados aos empresários estão o registro e a legalização de empresas e produtos, o fornecimento de informações tecnológicas e mercadológicas, as orientações e consultorias, a elaboração de plano de negócios, entre outros.

O apoio às empresas iniciantes é outra das atividades do Parque. Por meio de uma incubadora, há o acompanhamento dessas empresas, com estudos de viabilidade e análises de mercado até sua fundação oficial. Francilene Garcia, diretora geral da Fundação, explica que é crescente o número de empresas atendidas. “A oferta de políticas públicas na área de tecnologia, como a atuação do Programa Primeira Empresa Inovadora (Prime) criado pela FINEP, aumentou a possibilidade de crescimento empresarial. Já graduamos em torno de 70 e 80 empresas nesses 18 anos e estamos apoiando empresas até fora do estado”, afirma.

Tecnologia impulsiona a criação de novas empresas

Com os trabalhos desenvolvidos nos centros de tecnologia paraibanos, novas empresas têm sido criadas. Rodrigo de Almeida Vilar de Miranda, que participou do projeto OurGrid na UFCG, montou a empresa Silibrina, em 2009. A Silibrina oferece serviços de consultoria em TI e treinamento para implantação de infra-estrutura computacional de alto desempenho. “Montei a empresa na Paraíba porque aqui há um ótimo pólo formador de profissionais na área de informática”, afirma.

A elevada quantidade de mão de obra qualificada em Campina Grande estimula ainda a consolidação de empresas como a Apel, voltada ao desenvolvimento e à industrialização de produtos na área de eletroeletrônicos. Segundo Clóvis Vidal, diretor superintendente da empresa, os apoios institucionais recebidos no município, mais o acesso ao Instituto de Tecnologia da UFCG, compensam a distância do principal mercado do País, na região Sudeste.

“O mercado de tecnologia é muito exigente, mas os profissionais de Campina Grande estão atualizados e prontos para os desafios”, diz Vidal.


 

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG