Governo firma acordo de R$ 1,25 bilhão para transferência de tecnologia com a Pfizer e com a empresa israelense Protalix

selo

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, anunciou hoje um acordo de R$ 1,25 bilhão para a transferência de tecnologia em biotecnologia entre a multinacional americana Pfizer, a israelense Protalix e o Ministério da Saúde, por meio do laboratório público Biomanguinhos.

De acordo com o ministério, em cinco anos, o medicamento para o tratamento da doença de Gaucher, taliglucerase alfa, passará a ser produzido pelo laboratório brasileiro. O valor representa o total de compras para o tratamento dos pacientes atendidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS), que é de R$ 250 milhões por ano.

O acordo garante a aquisição do produto, a transferência de tecnologia e deve gerar uma economia de R$ 70 milhões aos cofres públicos no período. A Pfizer detém os direitos comerciais do produto em todo o mundo, exceto em Israel. A produção do medicamento em território brasileiro é estratégica para o tratamento dos pacientes diagnosticados com a doença de Gaucher, segundo o ministério.

Até agosto, o único medicamento com registro no País e que poderia ser comprado pelo governo federal para atender a esses pacientes era a imiglucerase. "Contudo, o remédio está em falta em todo o mundo desde que o único produtor mundial (a Genzyme) comunicou, em julho de 2009, a suspensão temporária da fabricação do remédio depois de contaminação de seus equipamentos por um vírus", informou o ministério, em comunicado.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.