Publicidade
Publicidade - Super banner
Empresas
enhanced by Google
 

Invenção reduz custo e tempo de confecção de lentes

Tecnologia desenvolvida na Unicamp deve beneficiar comunidades carentes e moradores de pequenas cidades

Bruna Bessi, iG São Paulo |

A produção de lentes oftalmológicas a custos mais baixos e em prazo muito inferior ao praticado hoje pelo mercado são os principais avanços conquistados a partir de uma técnica inédita desenvolvida na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Divulgação
Tecnologia brasileira reduz custo de lentes
A tecnologia inovadora desenvolvida por Marco Henrique Zangiacomi, engenheiro químico, e Edison Bittencourt, professor da Unicamp, envolve não apenas o processo de confecção das lentes como também uma alteração na composição das resinas utilizadas. Esta combinação de fatores permite a redução do custo de produção das lentes em até cinco vezes. Já o tempo de confecção das lentes cai para menos de 10 minutos. Para se ter uma ideia, nas técnicas atualmente utilizadas, a resina das lentes leva de duas a 20 horas para ficar pronta.

Edison Bittencourt explica que a diminuição do tempo de fabricação das lentes é possível graças à injeção da resina em um molde transparente que, quando exposto à irradiação com raios ultravioleta se polimeriza, ou seja, torna-se um sólido de alta transparência. Ele ressalta ainda que o equipamento que emite as radiações ultravioletas é produzido no Brasil. “A utilização das emissões UV traz benefícios à tecnologia desenvolvida, já que há boa relação custo benefício, baixo consumo de energia e rápida formação das lentes”, acrescenta Zangiacomi, que garante que as propriedades das lentes oftalmológicas como resistência, dureza, calor e uniformidade, foram mantidas no processo.

No que diz respeito ao custo, o grande diferencial foi a utilização de compostos nacionais para criar a resina, o que barateou a produção das lentes. “A resina desenvolvida ainda possui elementos importados em sua composição, mas em quantidade muito menor”, afirma Zangiacomi.

Inventores querem beneficiar comunidades carentes

Zangiacomi e Bittencourt revelam que um dos objetivos do novo processo é adaptar a produção de lentes para o uso em postos oftalmológicos móveis, atuando com forte foco no atendimento às comunidades carentes. “O ideal é que essa técnica seja aplicada em unidades oftalmológicas que alcancem cidades distantes e populações carentes, de forma que o paciente seja atendido por um especialista e já saia com os óculos prontos”, diz Bittencourt.

Denis J. Ribeiro, presidente do Conselho Regional de Ótica e Optometria, diz que todo o todo o processo de confecção de óculos pode consumir em torno de três dias úteis, já que participam as indústrias que confeccionam as lentes, os laboratórios óticos que dão a graduação específica e os responsáveis pelo corte das lentes de acordo com a armação. O desafio dos pesquisadoes é reduzir este prazo e trazer maior agilidade para os pacientes.

A produção com a nova técnica ainda não tem data prevista de entrada no mercado. O principal empecilho para o andamento do projeto é a seleção de empresas habilitadas a lidar com a nova tecnologia e que estejam capacitadas para montar as unidades móveis. Os pesquisadores, entretanto, mostram-se otimistas. "Estamos confiantes de que essa nova tecnologia pdoerá trazer muitos benefícios", afirmam. 

Leia tudo sobre: Unicamplentesinovação

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG