Custos estão sendo contabilizados como contas a receber e serão pagos mais à frente durante o acerto com o governo

A Petrobras já gastou até junho RS 300 milhões na perfuração de poços para a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), em busca de áreas no pré-sal da bacia de Santos que serão usadas na capitalização.

Segundo o gerente de Relações com Investidores da Petrobras, Alexandre Quintão, esses custos estão sendo contabilizados como contas a receber e serão pagos mais à frente durante o acerto de contas com o governo no contrato da cessão onerosa.

"Os custos do desenvolvimento relativo aos serviços da ANP estão sendo apropriados como gastos (contas) a receber", disse o executivo.

A perfuração tem por objetivo encontrar a área que será trocada pelo governo por ações da empresa, em uma operação intermediada por títulos públicos na capitalização da Petrobras.

A empresa já encontrou dois prospectos, Franco e Libra, sendo que o primeiro será usado na cessão e o segundo será vendido no primeiro leilão com áreas do pré-sal de Santos, após a aprovação do novo marco regulatório do setor pelo Congresso.

O governo vai ceder até 5 bilhões de barris de petróleo dessas reservas para a Petrobras e o preço preliminar dessa operação será conhecido pela ANP na quinta-feira.

Nos próximos dias, o governo deverá divulgar o valor do barril de petróleo das reservas da União que serão vendidas à Petrobras em uma troca indireta por ações no processo de capitalização da estatal, disse o ministro das Minas e Energia, Márcio Zimmermann.

O mercado e a Petrobras torcem por um preço em torno de US$ 6 o barril, enquanto o governo quer valorizar seus ativos e aumentar a sua participação na companhia, segundo o diretor-geral da ANP, Haroldo Lima, que espera um valor em torno dos US$ 8 o barril.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.