A ETH Bioenergia vendeu apenas 30% da bioeletricidade esperada no leilão de energia do governo realizado na semana passada

selo

A ETH Bioenergia vendeu apenas 30% da bioeletricidade esperada no leilão de energia do governo realizado na semana passada. Segundo o diretor executivo da ETH, Marcelo Mancini, de 60 MW médios foram vendidos 18 MW médios. O executivo atribuiu o resultado aos preços baixos no leilão.

A energia efetivamente vendida é de origem das usinas Alcidia e Eldorado, para entrega a partir de 2011. O preço de venda ficou em R$ 154,25, que Mancini considerou adequado para esses projetos. Já nos leilões para entrega em 2013 a energia que seria vendida de três projetos greenfield não obteve preço adequado, segundo o executivo.

Mancini reitera que neste leilão o governo estabeleceu uma relação desproporcional entre oferta e demanda, estabelecendo uma compra de apenas 180 MW diante de uma oferta de mais de 500 MW. Para ele, este foi o leilão das eólicas. "Esperamos agora que o governo realize um outro leilão de biomassa em breve", disse. O executivo afirmou também que a ETH deverá abrir o capital até o final de 2012.

A expectativa da empresa é de terminar a safra 2010/11 com moagem de 12 milhões de toneladas de cana e uma produção 900 milhões de litros de etanol e cerca de 350 mil toneladas de açúcar. Depois de inaugurar a primeira usina adquirida em construção da Brenco, a Morro Vermelho, a ETH pretende colocar em operação até novembro a segunda usina herdada incompleta da empresa, a Alto Taquari. Mancini participa hoje do 12º Fórum Internacional sobre o Futuro do Álcool, em Sertãozinho.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.