Aquisição de ativos no porto de Rio Grande (RS) poderá permitir construção de navios sondas para estatal

O acordo de venda do Estaleiro Rio Grande (ERG) pela WTorre à Engevix, anunciado nesta quarta-feira por R$ 410 milhões, faz parte da estratégia de crescimento da empresa de engenharia no setor de óleo e gás, principalmente depois de ter vencido duas grandes licitações da Petrobras.

Divulgação
Dique seco, no Porto de Rio Grande (RS): instalações para construção e manutenção das milionárias plataformas da Petrobras
O dique seco do ERG, que deve ser inaugurado em breve, é destinado à construção, conversão e reparo de plataformas de produção e de perfuração de petróleo. A estrutura possui 350 metros de comprimento por 130 de largura além de quase 14 metros de profundidade abaixo do nível do mar. Uma comporta é aberta para permitir a entrada de água quando há necessidade de movimentação das plataformas.

Com o suporte financeiro da Funcef, o fundo de pensão da Caixa Econômica Federal, que deve ficar com estimados em 25% do capital do ERG, a Engevix poderá acelerar a construção dos oito cascos de plataformas no dique seco assim como desenvolver novos projetos para a Petrobras. Segundo nota da WTorre, o acordo também inclui a aquisição de terrenos adjacentes ao estaleiro no Rio Grande do Sul - a segunda fase do empreendimento.

A Engevix já disse que os terrenos poderão ser usados para a construção de navios sondas para perfuração de poços de petróleo, uma licitação em andamento pela Petrobras. No fim de maio, a estatal recebeu as propostas técnicas e comerciais das empresas que vão construir no Brasil as 28 sondas - um contrato que pode superar os US$ 20 bilhões, segundo estimativas. A Engevix foi uma das empresas a entregar a proposta.

Crescimento acelerado

A Engevix, que completou 45 anos em março, teve um salto extraordinário nos últimos anos. A empresa faturou R$ 1,6 bilhão em 2008, um número 545% maior do que o resultado de 2005, quando teve receita de R$ 248 milhões.

Em 2009, a receita caiu para R$ 1,4 bilhão devido à crise mundial, justificou a companhia em seu balanço. Mas o lucro subiu de R$ 93 milhões em 2008 para mais de R$ 140 milhões em 2009. Nas suas demonstrações de resultados, a empresa revela que sua carteira de pedidos chega a R$ 3 bilhões nos próximos dois anos, mas a empresa poderá garantir um valor substancialmente maior caso vença novos contratos com a Petrobras.

A Engevix, com sede na cidade de Barueri, (SP) era uma empresa de consultoria de engenharia controlada pela construtora Rossi. Em 1997, foi vendida para três executivos: Cristiano Kok, Gerson de Mello Almada e José Antunes Sobrinho, que ainda mantêm-se à frente da gestão.

Foram eles que deram uma virada na empresa, ampliando sua atuação para outros setores como também transformando a companhia numa empreiteira. Atualmente, cada um dos executivos possui 10% das ações da companhia como pessoa física. Os demais 70% do controle estão em nome da holding Jackson Empreendimentos, dos quais cada um deles possui um terço das ações.

No fim de 2009, a empresa reestruturou sua administração, criando unidades de negócios e uma área financeira e de relações com investidores – num sinal de que a empresa poderá abrir seu capital no mercado. Além da área de óleo e gás, a empresa atua também em projetos de engenharia e passou a desenvolver um parque de energia eólica com participação da Funcef.

O anúncio de venda do Estaleiro Rio Grande foi feito pela WTorre, que comunicou a assinatura de um contrato preliminar com a Engevix. Procurada, a Engevix informou que não comentaria o assunto antes do final da conclusão do acordo com a WTorre, que deverá ser submetido ainda ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Contratos com a Petrobras

O salto da Engevix aconteceu em 2009. A empresa assinou um contrato estimado em US$ 3,5 bilhões para o fornecimento de oito cascos de plataformas do tipo FPSO (sigla em inglês para flutuante para produção, armazenamento e descarregamento) para exploração do petróleo pela estatal na camada do pré-sal. A empresa apresentou o menor preço e bateu outros seis concorrentes de peso.

O outro avanço foi o contrato para a prestação de serviço de manutenção de plataformas em operação da estatal na bacia de Campos. O contrato levou a Engevix a comprar em fevereiro a Aibel, da Noruega, uma empresa dona de uma área de 40 mil metros quadrados em Macaé (RJ). A Aibel, de acordo com informações da Petrobras aos órgãos antitrutes brasileiro, ficou de fora da licitação dos serviços de manutenção porque seu cadastro estava irregular.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.