A Caixa Econômica Federal vai liberar um empréstimo de R$ 3,728 bilhões para socorrer a endividada estatal goiana de distribuição de energia, a Celg

selo

A Caixa Econômica Federal vai liberar um empréstimo de R$ 3,728 bilhões para socorrer a endividada estatal goiana de distribuição de energia, a Celg. Segundo o presidente da empresa, Carlos Silva, o volume de dinheiro ainda é inferior ao endividamento total da estatal que, segundo ele, é de quase R$ 6 bilhões. Mas, afirmou o executivo, o montante será suficiente para quitar as dívidas da Celg com os encargos e tributos do setor elétrico, dívida esta que impede a empresa há três anos de aplicar reajustes nas tarifas.

"A Celg volta a funcionar como uma empresa normal, tornando-a adimplente", disse nesta tarde o ministro de Minas e Energia, Márcio Zimmermann, que participou com a diretoria da Celg e o governador de Goiás, Alcides Rodrigues, da assinatura do acordo com a Caixa, patrocinado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Silva, porém, preferiu não assegurar que, com a operação, a Celg já poderá aplicar o reajuste aprovado este ano pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), mas que fora represado por conta das dívidas. "Essa pergunta tem que ser feita à Aneel", disse Silva.

Os recursos da Caixa serão emprestados ao Estado de Goiás, que é o controlador da empresa. Do total a ser disponibilizado, cerca de R$ 1,7 bilhão serão usados para quitar dívidas do Estado com a empresa. Os outros cerca de R$ 2 bilhões serão aportados pelo Estado no capital da distribuidora.

Além dos recursos da Caixa via Estado de Goiás, também a estatal Eletrobras fará um aporte para aumentar sua participação na empresa, que hoje é de menos de 0,5%, para, segundo Silva, "algo entre 6% e 7%". Ele calcula que a Eletrobras deverá para isso aportar cerca de R$ 140 milhões na Celg.

O cronograma de financiamento da Caixa prevê a liberação da primeira parcela de R$ 1,2 bilhão em novembro; a segunda, de R$ 1,5 bilhão, em janeiro do próximo ano; e mais R$ 1,028 bilhão em janeiro de 2012. Os juros da operação são de 6% ao ano e o prazo é de 20 anos.

Eleições

O governador de Goiás classificou como "uma coincidência" o fato de o acordo financeiro para salvar a Celg ter saído às vésperas do segundo turno das eleições. O governo federal tem interesse na disputa goiana, que está sendo travada entre o tucano Marconi Perillo e o peemedebista ¿?ris Resende, aliado do governo Lula.

Questionado se o presidente Lula, ao assinar o contrato do empréstimo da Caixa com o Estado de Goiás, pediu em troca apoio e mobilização dos prefeitos e do governo em favor da candidatura de Dilma Rousseff (PT) à Presidência e ¿?ris Resende ao governo de Goiás, o governador respondeu: "O presidente já sabe que estamos engajados".

Diante da insistência da imprensa de que era estranho o acordo estar sendo fechado exatamente no momento do segundo turno das eleições, Alcides Rodrigues afirmou que o presidente Lula havia anunciado a concessão do empréstimo em Goiânia, ressalvando que aguardava a solução de problemas burocráticos. "E os problemas burocráticos foram muitos", comentou o governador para justificar a época de assinatura do acordo.

O governador disse que o presidente Lula considerou a assinatura do empréstimo da Caixa para a Celg "um momento histórico". "Há muitos e muitos anos que todos aguardavam isso", disse o governador.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.