Presidente da companhia informou que a empresa foi procurada para participar do consórcio de hidrelétrica

O presidente da Braskem, Bernardo Gradin, informou nesta sexta-feira  que sua empresa foi procurada para participar do consórcio que venceu a licitação da hidrelétrica de Belo Monte, que será construída no rio Xingu (PA). Uma das maiores consumidores de energia do país, a Braskem tem interesse em ter geração própria de eletricidade, mas a companhia avalia o risco do projeto, de acordo com o executivo, que reconheceu, por outro lado, que a tarifa de R$ 78 fixada no certame é competitiva.

"A tarifa é competitiva, mas o investimento não envolve apenas comprar a tarifa. Há também o risco de ser investidor", disse o presidente da Braskem, acrescentando que a empresa precisa considerar o potencial de retorno de eventuais desembolsos na hidrelétrica.

A petroquímica firmou um acordo de confidencialidade com o consórcio Norte Energia (vencedor do leilão), o que impede Gradin de dar mais detalhes sobre como estão as negociações. Não obstante, o executivo adiantou que outras duas empresas também foram consultadas sobre a participação no projeto, sem dar nomes. Ele ainda assinalou que, dentro de seus planos de ser autoprodutira de energia, a Braskem tem interesse não apenas em Belo Monte, mas também em outros projetos ligados à geração elétrica.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.