Petrolíferas BP e Rosneft anunciarão acordo de mais de US$ 25 bi

Dinheiro seria suficiente para garantir à companhia petrolífera britânica uma fatia de entre 16% e 20% na estatal russa

Reuters |

Reuters

A Rosneft e a BP estão se preparando para anunciar um acordo no valor de mais de US$ 25 bilhões (R$ 50 bilhões) que pode dar à companhia petrolífera britânica uma fatia entre 16% e 20% na empresa estatal russa, disseram fontes próximas às negociações.

Leia também: BP amplia atuação na área de exploração de petróleo no Brasil

O acordo, que ainda precisa ser finalizado, mas pode ser oficializado na segunda ou terça-feira, incorpora metade da TNK-BP, que é da BP, e a terceira maior companhia petrolífera russa, à Rosneft, em troca de dinheiro e ações da Rosneft.

Isso permite que a BP encerre a difícil relação com seus parceiros na joint venture, além de buscar laços mais estreitos com o governo russo, que exerce uma influência muito maior na indústria do petróleo do que em 1990, quando a BP começou a investir no país.

Leia ainda: BP reverte lucro e tem prejuízo afetada por vazamento

A TNK-BP tem dado altos lucros e representa um quarto da produção total da BP, mas seus campos são maduros, e os magnatas soviéticos que controlam a outra metade da empresa, por meio da AAR, estavam atravancando a busca da BP pelo crescimento na Rússia, usando laços maiores com a Rosneft e seu poderoso chefe.

Se o acordo for finalizado e sobreviver a um longo processo de aprovação do governo russo, a exposição geral da BP aos barris russos seria menor, mas a holding pode assegurar suas posições na direção da Rosneft e melhorar seus laços com Igor Sechin, o executivo-chefe da Rosneft, que tem bastante influência na política energética.

A Rosneft já é a maior produtora de petróleo da Rússia. Se ela comprar metade da AAR da TNK-BP, controlará mais da metade da produção do país e extrairá mais gás e petróleo do que a Exxon Mobil, líder mundial.

O acordo dá à Rosneft maior produção e fluxo financeiro para financiar a exploração das grandes reservas russas, que substituirão os antigos e esgotados campos. O negócio também mantém a expertise da BP na Rússia e dá o acionista privado "de qualidade" que o presidente Vladimir Putin queria para mostrar aos críticos que está promovendo um programa de privatizações.

Leia tudo sobre: NEGOCIOSCOMMODSPETROLEOBPROSNEFT

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG