Projeto na Nova Caledônia tem capacidade de produção estimada em 60 mil toneladas por ano

A Vale se prepara para encerrar a fase de testes do projeto de níquel Vale Nova Caledônia (VNC) no Oceano Pacífico. Em nota, a mineradora informou que a unidade, anteriormente chamada de Goro, operou continuamente por três semanas a unidade 2 de lixiviação ácida sob alta pressão (HPAL 2), atingindo o critério de estabilidade. Em nota, a empresa afirma que a fase de testes está praticamente completa e que estão sendo realizados reparos e mudanças de projeto de parte das colunas internas da refinaria.

A solução de níquel resultante da lixiviação ácida tem sido transformada em um produto intermediário do níquel, o NHC, que está sendo vendido para clientes. "Isto marca o começo do ciclo de produção das unidades upstream do VNC enquanto os reparos e as mudanças no projeto de parte das colunas internas de extração de solvente da refinaria continuarão sendo realizados até o final deste ano", diz a nota da Vale.

A VNC é a maior operação no mundo baseada em uma jazida de níquel laterítico limonítico, com capacidade de produção nominal estimada de 60 mil toneladas métricas por ano de níquel contido em óxido de níquel e 4.600 toneladas métricas de cobalto como subproduto. A companhia também espera concluir até o fim de setembro a fase de testes - ou comissionamento - de Onça Puma, projeto de níquel erguido no Pará. A produção deverá começar em outubro e atingir a fase comercial em janeiro do ano que vem. Onça Puma é uma mina de níquel construída sobre uma jazida de níquel laterítico saprolítico no Pará, com capacidade de produção nominal estimada de 58 mil toneladas métricas de níquel em ferro-níquel.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.