Tamanho do texto

O consumo de gás liquefeito de petróleo (GLP) deverá crescer 2,5% em 2010 na comparação aos 6,8 milhões de toneladas consumidas no ano passado, de acordo com o presidente do Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo (Sindigás), Sergio Bandeira de Mello, em entrevista durante evento do setor de gás na Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan)

selo

O consumo de gás liquefeito de petróleo (GLP) deverá crescer 2,5% em 2010 na comparação aos 6,8 milhões de toneladas consumidas no ano passado, de acordo com o presidente do Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo (Sindigás), Sergio Bandeira de Mello, em entrevista durante evento do setor de gás na Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan). Segundo ele, no primeiro semestre do ano, as vendas cresceram 4%, mas a crise econômica no ano passado distorce este dado para cima, já que o executivo acredita numa estabilidade no consumo do setor nos últimos anos. Atualmente, a participação do GLP na matriz energética brasileira está em 3,6%. "O nosso crescimento médio é de 1,8% a 2% ao ano, ligado exclusivamente ao crescimento populacional." O Sindigás aposta em duas frentes de atuação para ampliar esta margem de crescimento: a substituição de parte do consumo de eletricidade em chuveiros elétricos e o programa de universalização do consumo de gás. De acordo com o Sindigás, 73% da água doméstica para banho é aquecida por eletricidade. "Além dos ganhos para o setor, esta substituição traria ganhos para o País, pois ajudaria a reduzir o consumo de energia nos horários de pico", argumenta. Já o plano de universalização do consumo de gás pelo País está sendo elaborado junto ao Ministério de Minas e Energia, visando o aumento nas vendas de GLP.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.