Publicidade
Publicidade - Super banner
Empresas
enhanced by Google
 

Produtor independente de petróleo teme Petrobras

Segundo Abpip, estatal deve conter seu ímpeto na próxima rodada de licitações da Agência Nacional do Petróleo e Gás Natural

AE |

Com a operação garantida à Petrobras de todos os campos no pré-sal, a Associação Brasileira de Produtores Independentes de Petróleo e Gás (Abpip) teme que a estatal adote uma postura mais ousada na conquista de blocos terrestres na próxima rodada de licitações da Agência Nacional do Petróleo e Gás Natural (ANP). "Seria interessante a Petrobras conter seu ímpeto. Agora, se ela entrar com dinheiro farto, não vai sobrar nada para a gente (produtores independentes)", alertou o presidente da entidade, Oswaldo Pedrosa.

Segundo o executivo, a aprovação do projeto de capitalização da Petrobras pelo Congresso não garante um mercado adicional para os produtores independentes. "Não queremos ser substitutos da Petrobras, queremos ser parceiros", afirmou. Pedrosa defendeu a importância dos operadores independentes para o desenvolvimento econômico e social dos municípios produtores de petróleo no Brasil.

Estudo da Universidade Federal da Bahia, feito a pedido da Abpip, mostra que 40% do Produto Interno do Bruto (PIB) do município de Mata de São João, na Bahia, vêm de atividades ligadas direta ou indiretamente à cadeia de petróleo. Na cidade, opera o maior produtor independente do Brasil, a PetroRecôncavo, que detém a concessão para exploração e produção de blocos da Petrobras.

O professor Doneivan Ferreira, responsável pelo trabalho, lembra que as grandes empresas acabam trazendo para as cidades produtoras todos os serviços necessários para a atividade. Já as operadoras independentes precisam usar a economia local e, por isso, acabam incentivando o desenvolvimento da região.

Com a movimentação na economia local, o recolhimento de Imposto sobre Serviços (ISS) do município de Mata de São João somou R$ 3 milhões, superando o pagamento de royalties em 2009, que foi de R$ 829 mil. O estudo identificou a presença de 20 segmentos fornecedores que suportam a atividade de petróleo e gás na cidade. Ao todo, esses segmentos reúnem 279 empresas.

Leia tudo sobre: PetrobraspetróleoAbpip

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG