Publicidade
Publicidade - Super banner
Empresas
enhanced by Google
 

Preço de cópia do Viagra equivale a 3,7 vezes a tarifa do ônibus

EMS informou que intenção é comercializar medicamento com valor 35% inferior ao praticado pelo Viagra

André Vieira, de São Paulo |

A expectativa do EMS é lançar a cópia do Viagra com um preço mais barato do que o valor que está sendo praticado atualmente pela Pfizer, a empresa que detém a patente do medicamento no País até este domingo.

A Pfizer reduziu à metade o preço do Viagra e lançou uma versão com apenas um comprimido, custando em média R$ 15 por unidade. A empresa também obteve o registro de um medicamento similar, que poderá vender no mercado brasileiro, com a marca Revatio.

O laboratório EMS, que investiu R$ 20 milhões nesta empreitada, já disse que sua intenção é colocar o medicamento com um preço 35% inferior ao praticado pela empresa detentora da marca Viagra.

Mantida a promessa, a droga do EMS custará por volta de R$ 10 – o equivalente a 3,7 passagens de ônibus na cidade de São Paulo (a tarifa é de R$ 2,70). A dúvida é saber se a diferença de preço – cerca de R$ 5 - fará com que o paciente passe a comprar a pílula da concorrência ou mantenha a preferência pelo original.

A estratégia da Pfizer de redução de preço foi a forma encontrada pela farmacêutica americana de manter parcialmente as vendas do seu produto quando os concorrentes vierem. A empresa já admitiu que poderá perder parte das vendas aos rivais, mas conseguirá manter um naco em seu poder.

Bloomberg via Getty Images/Bloomberg
Cialis e Viagra,as pílulas mais vendidas contra disfunção erétil no País: ingresso de genéricos e similares no Brasil
O mercado brasileiro consome cerca de 17 milhões de comprimidos de medicamentos contra disfunção erétil, e a expectativa da Pfizer é que esse número cresça para 40 milhões nos próximos três anos. Além do Viagra, os medicamentos Cialis (da Eli Lilly), Levitra (Bayer) e Helleva (Cristália) são comercializados no Brasil com patente.

Vale lembrar que a estratégia da Pfizer também passa pelo aumento do fornecimento do número de farmácias. Hoje, o Viagra chega a 17 mil das estimadas 55 mil farmácias espalhadas por todo o Brasil. A intenção é cobrir um horizonte entre 30 mil a 35 mil estabelecimentos, dobrando a cobertura nacional.

Decisões estratégicas

Além dos EMS, outros laboratórios estão atentos aos movimentos do mercado, mas não deram maiores informações quando entrarão no segmento. O laboratório Teuto disse que lançará a versão genérica, mas não pode divulgar a data exata por uma questão estratégica.

O Aché, outro grande laboratório de capital nacional, teve a mesma posição:”Por ser um assunto estratégico, ainda não podemos adiantar datas e marcas”.

A Sanofi-Aventis, laboratório que controla a Medley, a maior fabricante de genéricos do País, disse que não antecipa sua estratégia de desenvolvimento de novos produtos.

A Hypermarcas, empresa dona da Neo Química, fabricante de medicamentos similares, nada informou sobre eventuais lançamentos, alegando estar em “período de silêncio” em razão da emissão de uma debênture de R$ 500 milhões para pagamento de dívidas.

Leia tudo sobre: ah-zulViagraCialisGenéricoimpotência

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG