Maior produtora de celulose do mundo teve queda no endividamento

A Fibria, maior produtora de celulose do mundo, registrou forte crescimento no seu lucro líquido no segundo trimestre em comparação aos três primeiros meses do ano, mas queda expressiva ante os mesmos meses de 2009. A companhia também reduziu de forma expressiva suas dívidas bruta e líquida, ainda resultado das perdas com derivativos da Aracruz em 2008.

Entre abril e junho, o lucro da companhia foi de R$ 130 milhões, queda de 86% em relação ao mesmo período do ano passado. No segundo trimestre do ano passado, a integração das operações da Aracruz Celulose e Votorantim Celulose e Papel (VCP) ainda não havia sido concluída e os resultados ainda eram reportados separadamente. Por isso, os resultados de 2009 foram divulgados na base proforma.

O resultado da Fibria ficou abaixo das estimativas de cinco analistas de mercado consultados pela Reuters, que esperavam lucro de R$ 169,3 milhões no trimestre. No acumulado do primeiro semestre, o lucro da Fibria caiu 94 % em relação à primeira metade de 2009, para R$ 139 milhões.

Em 30 de junho, a dívida bruta era de R$ 13,2 bilhões, queda de 18% ante o segundo trimestre de 2009. A dívida líquida recuou 18% na comparação anual, chegando a R$ 10,85 bilhões.

O aumento no preço médio líquido da celulose favoreceu o Ebitda (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos depreciação e amortização) da companhia, que ficou em R$ 730 milhões no trimestre. O valor significa alta de 87% ante o segundo trimestre do ano passado. A previsão dos analistas era de uma geração de caixa operacional de R$ 713,5 milhões.

A receita líquida da companhia, por sua vez, subiu 23% ante o segundo trimestre de 2009, totalizando R$ 1,809 bilhão, acima das estimativas de R$ 1,7 bilhão.

Produção e vendas caem

No segundo trimestre de 2010, a Fibria produziu 1,208 milhão de toneladas de celulose, queda de 9% em relação ao mesmo período do ano passado. No semestre, contudo, a produção cresceu 7%, para 2,52 milhões de toneladas.

"A dinâmica positiva do setor de celulose permitiu que as vendas de 1,253 milhões de toneladas fossem superiores à produção no período", afirmou a Fibria.

Os estoques de celulose da companhia voltaram a cair, e fecharam o trimestre em 33 dias de produção, contra 35 dias do primeiro trimestre deste ano.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.