Advogados da entidade responsável pela denúncia contra o Banco do Brasil (BB) sobre monopólio de concessão de crédito consignado protocolaram ontem no Banco Central (BC), em São Paulo, uma petição solicitando detalhes sobre o andamento do caso

selo

Advogados da entidade responsável pela denúncia contra o Banco do Brasil (BB) sobre monopólio de concessão de crédito consignado protocolaram ontem no Banco Central (BC), em São Paulo, uma petição solicitando detalhes sobre o andamento do caso. O BB estaria impondo exclusividade aos órgãos em que é responsável pela folha de pagamento dos servidores, mas, de acordo com representantes da entidade, o processo caiu em uma "zona cinzenta" dentro do BC, já que se passou mais de um mês e não há posicionamento sobre o tema. No dia 10 de junho, a Federação Interestadual dos Servidores Públicos Municipais e Estaduais de diversos Estados fez a denúncia à Secretaria de Direito Econômico (SDE) do Ministério da Justiça. Pelo despacho da Secretaria, caberia à autoridade monetária identificar e aplicar sanções para os casos de infração às regras de concorrência. Segundo o BC, a análise dos documentos transcorre dentro dos prazos habituais. O saldo do crédito consignado em folha de pagamento está perto de R$ 110 bilhões e o BB é responsável por cerca de um terço. Este tipo de crédito é vantajoso para os bancos em função das taxas de inadimplência reduzidas já que o desconto é feito diretamente do salário da pessoa que toma financiamento. Para quem pega o crédito, o interesse é despertado pelas taxas de juros mais baixas do que as do mercado.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.