Tamanho do texto

Presidente da Sanofi diz que impacto da venda de alguns remédios pelo Cade representa 4% das vendas da fabricante de genéricos

Um dia depois da decisão do Conselho Administrativo da Defesa Econômica (Cade) aprovando a compra da Medley, o presidente da Sanofi-Aventis no Brasil, Heraldo Marchezini, disse que a operação da maior empresa de medicamentos de genéricos do País dirigida desde abril de 2009 pelo grupo farmacêutico francês mostrou-se “pró-competição”.

Divulgação
Heraldo Marchezini, presidente da Sanofi-Aventis: segurança para continuar investindo no País
"Mantivemos ao longo deste ano a competição no mercado brasileiro de genéricos", afirma Marchezini ao iG . “Fizemos um estudo mostrando os impactos do negócio a favor do crescimento.”

De acordo com o executivo, a decisão do Cade aprovando a operação, mesmo com restrições, reforçou o compromisso de investimentos da Medley - a empresa está aplicando US$ 45 milhões numa fábrica de produção de hormônios no Distrito Federal.

“Agora, com a segurança dada pela decisão do Cade, vamos não só manter como reforçar nossos investimentos e exportações.”

Novo comando na Medley

A Sanofi-Aventis também definiu o novo comando para a Medley, depois da saída do executivo Jairo Yamamoto da presidência da fabricante de genéricos em março.

O executivo brasileiro Décio Decaro, de 50 anos, responsável pelas operações espanholas da Sandoz, subsidiária da fabricante de genéricos suíça Novartis, será repatriado como novo diretor-geral da Medley.

Decaro teve passagem pela Gerber quando a empresa era controlada pela Novartis e foi diretor da Gradiente no Brasil respondendo pelas operações da empresa de videogames Nintendo no Brasil. "Ele traz a experiência de ter atuação no mercado de genéricos na Espanha”, diz Marchezini.

O presidente da Sanoti-Aventis acrescentou ainda que a decisão do Cade de que o laboratório tenha de vender três medicamentos - Lopigrel, Digedrat e Peridal - terão pouco impacto nas contas da empresa. “Eles representam apenas 4% do faturamento da Medley”, afirma o executivo.

Marchezini disse ainda que as operações da Medley serão mantidas de forma independentes da Sanofi-Aventis, com estrutura societária e de equipes de profissionais distintas. “Vamos usar nosso expertise em genéricos para ampliar nosso negócio.”

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.