SÃO PAULO - Apesar de uma leve contração na atividade do setor, a indústria brasileira de papel e cartão subiu da 11ª para a 9ª posição entre os maiores produtores desses produtos no mundo, conforme revela um ranking elaborado pela consultoria Risi com base em volumes registrados no ano passado. A produção brasileira marcou queda de 0,4%, para 9,374 milhões de toneladas, mas subiu no levantamento por conta de retrações mais expressivas apresentadas pelos produtores da França e da Itália, que estavam à frente do Brasil na lista anterior. Enquanto o volume dos franceses cedeu 11,4%, chegando a 8,331 milhões de toneladas, a produção italiana recuou 10,9%, para 8,449 milhões de toneladas. O ranking é encabeçado pela China, cuja produção de papel cresceu 8,3% no ano passado, para 86,391 milhões de toneladas.

O balanço ainda mostra que a produção brasileira de celulose segue na quarta colocação no ranking global, atrás de Estados Unidos, China e Canadá. No entanto, enquanto os volumes desses países mostraram retração no ano passado, a produção de celulose no Brasil cresceu 7,3% no período, alcançando 13,735 milhões de toneladas. Segundo dados da Associação Brasileira de Celulose e Papel (Bracelpa), os investimentos no setor são estimados em US$ 20 bilhões nos próximos dez anos, o que inclui a construção e a modernização de fábricas. No período, a produção anual de celulose deverá avançar de 14 milhões de toneladas para 22 milhões de toneladas. Já a produção de papel subirá 34%, para 12,7 milhões de toneladas, estima a entidade. (Eduardo Laguna | Valor)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.