Publicidade
Publicidade - Super banner
Empresas
enhanced by Google
 

Basf prevê crescer em agro, tintas e renováveis

Subsidiária brasileira de química alemã define planos estratégicos até 2020

André Vieira, iG São Paulo |

A Basf, a maior empresa química do mundo, definiu suas estratégias de crescimento no Brasil para a próxima década. Até 2020, o objetivo da companhia é aumentar seus negócios na área de agro e tintas, além de identificar oportunidades nas áreas químicas, com foco reforçado em produtos renováveis.

As informações constam do balanço publicado nesta terça-feira pela gigante química alemã.

A definição da nova estratégia coincide com a mudança no comando da companhia na América do Sul. Rolf-Dieter Acker deixará a presidência executiva da empresa, a qual dirigiu por 11 anos, no dia 30 de abril, quando se aposentará. O executivo Alfred Hackenberger, que já teve passagem pelo País, será o substituto.

Getty Images
Sede da Basf, em Ludwigshafen, na Alemanha: estratégia para o crescimento até 2020

Resultado anuais

Hoje, os negócios nas áreas agrícolas e tintas decorativas, comercializadas com a marca Suvinil, representam mais de 60% das vendas da Basf no Brasil.

Em 2009, a filial brasileira alcançou receita bruta de R$ 5,4 bilhões, alta de 1% sobre o ano anterior. No entanto, o lucro da subsidiária recuou 17%, atingindo R$ 209 milhões, resultado que sofreu com a crise, principalmente no início do ano, por causa de vendas no setor automotivo.

"Manter o número de vendas foi um desafio em um ano de crise. A redução do ganho foi resultado da diminuição de margem", afirma Rosana Passos, diretora de tesouraria e crédito da Basf na América do Sul.

"Os principais destaques foram as unidades de proteção de cultivos, care chemicals e poliuretanos", destacou a empresa alemã, em seu balanço anual. A Basf concluiu em novembro a incorporação da Ciba, empresa suíça de especialidades química.

As vendas da Basf foram de 2,12 bilhões de euros no Brasil e totalizaram 2,92 bilhões de euros na América do Sul, o que representa pouco mais do que 5% dos resultados globais. No mundo, a gigante alemã faturou 50 bilhões de euros.

Uma das grandes apostas da empresa é a comercialização para a safra 2010/11 da soja tolerante a herbicidas desenvolvida pela Basf em parceria com a Embrapa, fruto de 10 anos de pesquisas. A Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CNTBio) aprovou a nova semente dezembro.

Para 2010, a expectativa da Basf é positiva. "A agricultura está indo muito bem, com condições climáticas favoráveis. No caso do setor de tintas, a Basf quer participar das oportunidades das obras de infraestrutura", diz Rosana Passos.

"O crescimento tem sido corrigido a cada semana para cima, gerando oportunidades para o crescimento", acrescenta Jürgen Buss, gerente regional de controladoria da Basf.

 

Leia tudo sobre: Basfquímicabalanço

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG