Publicidade
Publicidade - Super banner
Empresas
enhanced by Google
 

Após dois anos de crise, aviação executiva inicia recuperação

Vendas no segundo trimestre de 2010 aumentaram 0,2% e chegaram a US$ 9,4 bilhões; mercado deve crescer 9% ao ano a partir de 2011

Gustavo Poloni, enviado especial a São José dos Campos |

Uma das mais badaladas feiras de aviação do mundo tem um nome comprido e imponente: Latin American Business Aviation Conference and Exhibition. Conhecida apenas como Labace, há sete anos ela ocupa o hangar da falida Vasp no aeroporto de Congonhas, em São Paulo, para que fabricantes de aviões e helicópteros possam apresentar ao público as melhores e mais modernas aeronaves do mercado. Além de servir como plataforma de lançamentos, a edição 2010 do evento, que começa nesta quinta, terá uma importância especial. A Labace acontece no momento em que a aviação executiva dá sinais de recuperação. No segundo trimestre de 2010, as vendas chegaram a US$ 9,4 bilhões (o equivalente a pouco mais de R$ 16 bilhões, em valores de hoje), aumento de 0,2% em relação ao mesmo período do ano passado. Se o crescimento não pode ser considerado expressivo, ele serviu para interromper dois anos consecutivos de queda – que culminaram com a maior crise da história do setor. “Parece que estamos saindo da crise antes do que imaginávamos”, afirmou ao iG Luís Carlos Affonso, vice-presidente da divisão de aviação executiva da Embraer.

Os sinais de recuperação do setor ainda são tímidos, mas consistentes. O crescimento nas vendas foi acompanhado pelo aumento na entrega de unidades. No segundo trimestre de 2010, as fabricantes faturaram 547 aeronaves. É um número 40% maior em relação aos três meses anteriores. Apesar da recuperação, o saldo no ano ainda é negativo: queda de quase 10% quando comparado a 2009. Entre as unidades entregues, a Embraer ganhou lugar de destaque. O jato executivo com maior saída no período foi o Phenom 100, lançado pela fabricante brasileira em 2009. Ao todo, foram entregues 35 unidades do modelo de US$ 4 milhões. A divulgação dos números no segundo semestre foi comemorada por executivos do setor. Ela mostra que o mercado deve ficar estável em 2010, e não vai cair como o previsto anteriormente. Para os próximos anos, a previsão é bem mais otimista. Estudo da consultoria Zenith Jet revela que, a partir de 2011, o número de entregas de aviões deve crescer, em média, 9% ao ano. Até 2019, serão 11 mil novas unidades, avaliadas em US$ 208 bilhões.

De olho no reaquecimento do mercado, a Embraer vai acrescentar mais um avião no seu portfólio. A empresa vai apresentar durante a Labace o mais novo integrante da família Legacy. A grande novidade do Legacy 650 está na autonomia: ele é capaz de voar 900 quilômetros a mais do que a versão anterior, o Legacy 600. Isso faz com que a aeronave seja capaz de fazer sem escalas alguns dos mais importantes trechos da aviação, como São Paulo-Miami e Londres-Nova York. O Legacy 650 chegará ao mercado nos próximos meses por US$ 29,5 milhões. Além do novo modelo, a Embraer vai mostrar também a família Phenom, o 100 e o 300. Os jatos foram responsáveis pelo bom desempenho da empresa no primeiro semestre deste ano. Dos 59 aviões executivos entregues pela Embraer, 56 eram Phenom. A previsão é de que a produção anual dos modelos chegue a 120 unidades. O sucesso contribuiu para que a Embraer reafirmasse a previsão de receita da divisão de aviões executivos, que até o final do ano deve faturar US$ 1,1 bilhão – equivalente a 20% do total da empresa.

Divulgação
O Phenom 100 é capaz de transportar quatro passageiros e é o jato executivo mais vendido no Brasil
O mercado de aviação executiva tem alternado momentos de euforia com grandes retrações. A primeira crise teve início em 2001, depois dos atentados terroristas de 11 de setembro, nos Estados Unidos. As vendas de jatos executivos seguiram a desconfiança que se instalou na aviação e caíram 44%. O mercado só voltou a melhorar em 2004 e chegou ao auge quatro anos depois, quando registrou o recorde histórico de 1.313 aeronaves entregues. De lá para cá, mais uma queda acentuada. Agora, a culpa é da crise econômica mundial, que teve início com a quebra do Lehman Brothers e foi aprofundada por uma crise de imagem. A aviação executiva virou símbolo da gastança das corporações depois que os presidentes das três maiores montadoras dos Estados Unidos, General Motors, Ford e Chrysler, embarcaram em seus jatos particulares para viajar de Detroit, onde estão instaladas, para Washington, capital federal, para pedir um empréstimo de US$ 15 bilhões que evitaria a falência das empresas. “Quando as empresas precisam cortar investimentos, elas cortam as despesas menos essenciais”, afirmou André Castellini, especialista em aviação da consultoria Bain & Company.

A crise teve impacto distinto nas fabricantes de jatos particulares. Algumas cancelaram o lançamento de novos aviões. É o caso da Cessna, que deixou de lado o projeto do Columbus, e da Hawker Beechcraft, que abortou o H450XP. Outras, como a Embraer, optaram por fazer ajustes no quadro de funcionários – eufemismo para as demissões. Mais de quatro mil pessoas foram mandadas embora pela empresa brasileira para reduzir os gastos durante o auge da dificuldade econômica. “Tivemos de fazer ajustes, mas pudemos manter as nossas grandes estratégias”, disse Affonso, da Embraer. No início de 2008 (antes, portanto, do início da crise), a Embraer tinha um avião disponível e outros seis em diferentes estágios de projeto. Quando o mercado voltar a crescer, em 2011, a empresa terá cinco modelos no mercado e dois em fase final de desenvolvimento. A estratégia de manter o cronograma de lançamento teve efeito positivo. Mesmo durante a crise, a empresa ganhou 11 pontos percentuais e passou a responder por 14,1% do mercado de aviação executiva. Até 2015, a empresa quer chegar a 15% de market share e um faturamento de US$ 2 bilhões.

Fundada em 1969, a Empresa Brasileira de Aeronáutica S.A. (Embraer) foi criada pelo governo com o objetivo de estimular o surgimento de uma indústria aeronáutica no País. O plano original previa a montagem de duas aeronaves Bandeirante por mês e a contratação de 500 pessoas. Em pouco tempo, a fabricante de aviões passou a fazer sucesso com a venda de modelos como o Bandeirante, o Xingu e o Brasília. Os negócios caminhavam bem até o final da década de 1980, quando a companhia foi atingida por uma grave crise financeira mundial, que afetou a economia brasileira - e quase levou a Embraer à bancarrota. Para salvar a empresa, o governo decidiu colocá-la no programa de privatização, que incluiu entre outras companhias a estatal de telefonia. Recuperada da crise, a Embraer lançou em 2001 seu primeiro jato executivo, o Legacy. Quatro anos depois, a fabricante criou a divisão de aviação executiva, que tem estrutura de vendas e de assistência técnica independente. Hoje, a Embraer pode ser considerada uma das quatro grandes fabricantes de aviões comerciais. Com o fim da crise atual no mercado de jatos particulares, a empresa quer se firmar também como uma das grandes fabricantes de aviões executivos.

Leia tudo sobre: aviação executivarecuperaçãocrescimentoembraervendas

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG