Aumentam queixas sobre má qualidade de carro zero e importado no Brasil

Por Marília Almeida - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Dados do Ministério da Justiça apontam alta de 34,7% nas reclamações referentes a veículos novos e 36,7% nas relacionadas a importados em 2013

Marcelo Camargo/ABr
Pátio de montadora em São Bernardo do Campo, São Paulo: pressão por corte de custos impulsionam problemas

Mesmo diante de uma queda nas vendas registrada em 2013, o setor automotivo vem sendo cada vez mais alvo de queixas com relação a vícios e má qualidade de carros novos ou importados. É o que aponta o Ministério da Justiça, que reúne dados de todos os Procons do Brasil. 

De acordo com levantamento feito para o iG, as queixas sobre a qualidade dos carros zero subiram 34,7% entre 2012 a 2013, de 2.681 para 4.100, enquanto reclamações relacionadas a veículos importados cresceram de 401 para 633, um aumento de 36,7%. Entre as queixas estão incluídas aquelas relacionadas a má qualidade de serviços.

Leia também: Os 10 carros com mais recalls no Brasil

Nos três primeiros meses do ano, o movimento de reclamações continua. Até o final de março, foram registradas 1.207 reclamações relacionadas a carros zero, e 215 sobre veículos importados.

Desde 2009, as reclamações sobre má qualidade de carros zero cresceram 61% e, sobre importados, 80%.

A indústria automotiva vendeu 3,5 milhões de veículos leves no Brasil em 2013, e 3,6 milhões em 2012, segundo dados da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). 

Recalls de modelos 2013/2014

Peugeot Citroen 408: calibração inadequada do módulo de controle do motor . Foto: Peugeot/DivulgaçãoPeugeot Citroen: Novo C3, C3 Picasso e C3 Aircross: falha no processo de fixação dos rebites dos braços da suspensão dianteira. Foto: DivulgaçãoPeugeot  208: falha no processo de fixação do rebites dos braços da suspensão dianteira. Foto: DivulgaçãoGM Classic 2014: substituição do rolamento do cubo das rodas traseiras e aplicação do torque correto na sua porca de fixação e filtro de combustível irregular. Foto: DivulgaçãoGM Agile 2014: substituição do rolamento do cubo das rodas traseiras e aplicação do torque correto na sua porca de fixação. Foto: ReproduçãoGM Trailblazer Diesel 2014: possibilidade de atrito do cabo da bateria com uma aresta metálica da bandeja da bateria. Foto: Rafael MunhozGM S10 Diesel 2014: possibilidade de atrito do cabo da bateria com uma aresta metálica da bandeja da bateria. Foto: Guilber HidakaGM Spin: soldagem de suporte do pedal de freio está irregular. Foto: DivulgaçãoGM Prisma: soldagem do suporte do pedal do freio e do mecanismo reclinador dos bancos dianteiros podem estar irregulares . Foto: DivulgaçãoGM Sonic: tubulação de combustível fora da dimensão especificada. Foto: DivulgaçãoGM Cobalt: pedal do freio pode não estar em conformidade com soldagem do suporte do pedal de freio. Foto: DivulgaçãoOnix, da GM: soldagem do suporte do pedal do freio e do mecanismo reclinador dos bancos dianteiros podem estar irregulares . Foto: DivulgaçãoAlgumas caixas de direção do Fusion, da Ford, podem ter sido montadas com a falta de um clipe de fixação. e o mecanismo reclinador de alguns bancos dianteiros foram soldados e fixados de forma irregular . Foto: DivulgaçãoEcoSport, da Ford, pode ter bolha de ar próximo à parede lateral dos pneus, decorrente do processo de montagem do conjunto roda e pneu por fornecedor. Foto: DivulgaçãoBancos do Focus versões Hatch e Sedan da Ford podem ter sido fixados com parafusos fora de ajuste ou com a falta de um dos parafusos. Foto: ReproduçãoA Fiat convocou donos da Pick-Up Strada para substituir parafusos de fixação da haste de ancoragem do cinto de segurança do passageiro do banco dianteiro; com comprimento fora de especificações. Foto: DivulgaçãoModelos BMW 125i, 320i, 328i, 520i, 528i, X1 sDrive2 2012/2013 podem ter redução gradual da capacidade de frenagem, em razão de falha, e devem passar por inspeção. Foto: DivulgaçãoTubulação de combustível do Audi S7 2013 ficou fora da tolerância da dimensão especificada e empresa realizou troca. Foto: DivulgaçãoAston Martin trocou pedal do acelerador dos modelos Virage e Vantage V8, V12 e S 2012/2013 por conta do material estar fora de especificações. Foto: Divulgação

Problemas com garantias também crescem

As reclamações com relação à garantia dos veículos novos e importados cresceram praticamente na mesma proporção das reclamações sobre a qualidade dos carros. Para solucionar conflitos, há quem recorra à esfera judicial para garantir os direitos e tentar minimizar possíveis prejuízos. 

É o caso de Maria do Carmo Nascimento e Francisco Elias Nascimento, que vivem em São Paulo. Vanessa Gomes do Nascimento Ferreira, de 33 anos, é filha do casal e advogada. Ela decidiu entrar com uma ação judicial em fevereiro deste ano contra a Ford. A montadora e a concessionária se recusaram a pagar o reparo de uma pane na transmissão do modelo Eco Sport 2.0.

O problema surgiu cinco meses após a compra do veículo zero, em maio de 2013. Após revisão, a falha voltou a acontecer. Segundo os consumidores, na ocasião a Ford alegou mau uso do veículo aos consumidores. Procurada pelo iG, a empresa não comentou o assunto. 

A família obteve há cerca de um mês liminar (decisão provisória da Justiça) favorável que dá 30 dias para a montadora reparar o veículo. A Ford entrou com recurso. 

E também: Queda na venda de carros provoca demissão em massa no interior paulista

Além da troca do veículo ou devolução do dinheiro, a família também reclama o pagamento das despesas e pede uma indenização por danos morais, conta a filha do casal. "Hoje temos de pagar táxi e a guarda do carro, que está parado.Compramos um veículo zero justamente para não ter dor de cabeça", diz Vanessa.

Luiz Moan, presidente da Anfavea, afirma que os conflitos que vão para a esfera judicial geralmente apontam avaliações técnicas diferentes por parte de montadoras e consumidores. "A decisão judicial é respeitada integralmente", ressalta. 

Já caí do cavalo com carro usado. Pensei que não teria problemas com um carro zero" (Luiz Besson Junior, cirurgião-dentista)

O cirurgião-dentista Luiz Besson Junior, de 35 anos, comprou em 2013 um carro zero em Ourinhos, no interior de São Paulo. Pagou pelo Jetta, da Volkswagen, R$ 72,8 mil. Após quatro meses da compra, ele conta que começou a ouvir um barulho vindo da caixa de direção em curvas com velocidade acima de 45 km e também quando há trepidação.

Luiz diz ter uma sensação de insegurança, apesar de a concessionária apontar que não há problema de segurança. "A caixa de direção já foi trocada duas vezes, mas o problema voltou a acontecer". O dentista conta que a concessionária apontou que a fabricante iria procurá-lo caso verificasse problemas.

A loja se ofereceu para trocar o veículo, mas pede que o consumidor pague a diferença de preço, mas Luiz insiste na troca ou conserto. "Já caí bastante do cavalo com carro usado. Comprei um carro novo pensando que não iria mais ter problemas. Percorro 90 km por dia para ir e voltar do trabalho e preciso do carro". 

Leia também: GM tentará suspender ações por falha que causou 13 mortes nos EUA

A Volkswagen informa, em nota, que já solicitou à sua Central de Relacionamento com o Cliente que verifique a queixa para buscar uma solução para o caso.

Corte de custos e recalls

A indústria automobilística se defende ao apontar que vem aprimorando a identificação de irregularidades nos veículos. "Os serviços de atendimento ao cliente recebem as queixas de um lado e, de outro, são realizados testes contínuos de qualidade pelas montadoras. Caso seja detectado risco, é realizado um recall", aponta Luiz Moan, presidente da Anfavea.

Já foram realizados 28 recalls no País envolvendo modelos lançados em 2013 e neste ano, segundo dados do Ministério da Justiça. Moan vê o crescimento de recalls como positivo. "O processo é cada vez mais eficiente. As montadoras priorizam a fidelização dos clientes".

E também: Os 10 carros mais vendidos em 2013

Sobre as reclamações, o presidente da Anfavea aponta que, entre elas, existem aquelas resultantes de mau uso do veículo, provocadas de forma mais frequente por uso de combustível adulterado e condições de pavimento das ruas.

O executivo ressalta que o programa Inovar-Auto, regime automotivo criado em janeiro de 2013 e que reduz impostos para empresas que fabricarem carros no Brasil, também incentiva pesquisas em tecnologia, o que contribui para o aprimoramento da qualidade dos veículos. Moan também afirma que mais marcas montam centros de engenharia no País.

Mais marcas e menos custos aumentam problemas

Diversas montadoras foram atraídas recentemente para o mercado brasileiro, e ampliaram o número de modelos comercializados no País. 

Mas a atividade econômica de países da Europa e também nos Estados Unidos continua fraca, o que impulsiona projetos globais com foco em redução de custos.

Como consequência, novos lançamentos podem envolver um tempo menor de produção, o que pode criar problemas, aponta o consultor especializado no setor automobilístico, Leandro Mattera. "Também de olho em custos, montadoras produzem modelos mais simples em mercados emergentes como o Brasil. Falta preocupação com durabilidade e robustez do carro".

E também: Carros chineses enfrentam cenário e concorrência hostis no Brasil

Moan afirma que os veículos comercializados no País passam por testes de acordo com a legislação norte-americana e europeia. "Temos o mesmo nível segurança. O que ocorre é que algumas empresas realizam estes testes com empresas independentes, que testam os veículos com outros critérios. Nossos associados buscam mais rigor com relação a isso". 

A falta de estoque de peças no mercado nacional também pode provocar queixas com relação à qualidade de serviços. "A situação é mais alarmante quando se trata de carros importados", conta Mattera. Moan, porém, diz que o problema é pontual. 

Mattera aponta que problemas em relação à qualidade podem ser mais recorrentes em marcas que produzem veículos de baixo custo. Empresas que montaram recentemente sua rede de concessionárias também podem encontrar mais dificuldades para qualificá-las para o pós-venda. 

Consumidor tem direito a troca

Segundo a associação de consumidores Proteste, a troca de carro novo com defeito é garantida por lei se o reparo não for feito em 30 dias pela concessionária ou montadora, como determina o artigo 18 do Código de Defesa do Consumidor (CDC), ou se o problema persistir.

Em caso de negativa de troca da concessionária e da montadora, o consumidor pode ter de recorrer à Justiça para a substituição do veículo por outro novo – ou para a devolução do valor pago.

Há juízes e tribunais que determinam que a troca ou mesmo a devolução do valor do carro seja feita logo no início do processo. Nesses casos, é concedida antecipação de tutela ou liminar.

Existem ainda decisões judiciais que, embora não determinem a troca ou devolução imediata da valor, obrigam as montadoras a concederem aos consumidores o uso de um carro reserva durante a tramitação do processo. 


compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas