Veículo chega ao mercado em momento de aumento da concorrência no segmento de maior volume no Brasil, que teve neste semestre as estreias de Toyota e Hyundai

Reuters

A General Motors lançou nesta segunda-feira seu novo modelo compacto global, o Onyx, em meio a um aumento da concorrência no segmento de maior volume no Brasil, que passou a contar neste semestre com estreias das rivais Toyota e Hyundai.

Leia também:  Novo regime automotivo faz GM ampliar investimentos

A montadora norte-americana lançou o hatch a R$ 29.900, valor que poderá subir se o governo não renovar a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) entre o final deste mês e dezembro.

O presidente da GM para América do Sul, Jaime Ardila, evitou comentar metas, mas afirmou que "ficaria feliz" se o Onyx registrasse vendas de 15 mil unidades por mês. Esse volume é um pouco maior que as vendas atuais do Celta, modelo de entrada da montadora que custa cerca de R$ 24 mil.

Ardila comentou que "seria lógico" o governo prorrogar novamente a redução do IPI até o final do ano, interrompendo o benefício a partir de 2013, quando entrará em vigor o novo regime automotivo do país, com foco em redução de consumo de combustível e investimentos em componentes locais e pesquisa e desenvolvimento.

Leia ainda:  Taigun, o mini-Tiguan, é exibido pela VW

O executivo disse que o novo regime deverá obrigar montadoras e fabricantes de autopeças a elevar investimentos, mas evitou comentar sobre o orçamento previsto para a GM no país.

A montadora norte-americana termina neste ano um ciclo de investimentos de R$ 5,5 bilhões e, segundo Ardila, deverá divulgar até meados de 2013 o novo programa de dispêndios para o Brasil.

A GM também mostrou o utilitário esportivo Trailblazer que, junto com a picape S10, será fabricado em São José dos Campos (SP).

A expectativa de Ardila é que a GM registre vendas de 640 mil veículos no Brasil este ano. De janeiro a setembro, a montadora vendeu 396,5 mil automóveis, alta de 2% sobre um ano antes, e 76,9 mil comerciais leves, expansão anual também de 2%.

"A concorrência está mais agressiva e o segmento B (compactos), que já era o maior no Brasil, vai crescer ainda mais", afirmou, durante o salão do automóvel em São Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.