P&G busca classe C com produtos de apelo classe A

Companhia segue tendência apontada por pesquisas de que a nova classe média brasileira deixou de escolher por preço e está disposta a pagar mais por algo que considera melhor

Mayara Teixeira | - Atualizada às

Mayara Teixeira
Antonio Valdez, diretor de vendas da P&G, ao lado dos produtos da linha Oral B 3D White e novas lâminas de depilação feminina Gillete Venus

A Procter & Gamble (P&G) está se posicionando para aproveitar uma tendência recentemente identificada por pesquisa de mercado no país. Nesta segunda-feira, anunciou que pretende lançar, nos próximos nove meses, dez linhas de produtos no Brasil, todos nas categorias de beleza e higiene pessoal. O alvo é um extrato da nova classe média brasileira disposto a trocar volume e preço baixo por menor número de unidades de produtos mais caros, mas com apelo de qualidade. “O brasileiro busca benefícios mais sofisticados e agora tem poder aquisitivo para isso”, diz Gabriela Onofre, diretora de comunicação da P&G. “É o consumidor que mais utiliza amostras no mundo”, diz Patrick Aedo, diretor de inteligência.

Leia também: Nestlé, Samsung e Adidas são as marcas preferidas da classe C

A lista de lançamentos previstos inclui xampu anti-caspa pós-química, linha de cuidados com o cabelo para o verão, creme facial regenerador, novas lâminas de barbear, produtos de higiene bucal clareadores, absorventes femininos e fraldas descartáveis mais absorventes. As primeiras novidades deverão chegar às prateleiras a partir de outubro. “Todos os produtos estão ligados à nossa marca corporativa e a linhas já existentes”, afirma Aedo.

Para reforçar a sensação de que o consumidor está pagando mais por um produto melhor, a P&G também vai expor os novos produtos nos pontos de venda com explicações detalhadas de como funcionam. A “Gillete Proglide”, por exemplo, com cinco lâminas mais finas e um micro-pente, promete aos homens um barbeado melhor. Para as mulheres, os anúncios da nova linha “Gillette Venus” venderão as vantagens de um cabo ergonômico com mais controle do movimento de três lâminas lubrificadas. Fitas da nova linha Oral B 3D White garantirão dentes mais claros após de três dias de uso de acordo com as recomendações da embalagem.

Leia ainda: Dados apontam que ascensão da classe C incomoda consumidores da classe AB

Os três produtos estarão à venda a partir de 1º de novembro. A Proglide custará R$ 30 e, a Venus, R$15. A 3D White terá preço sugerido de R$ 60. Os dois primeiros, diz Gabriela, serão os mais caros do mercado. “A nova classe média quer comprar um produto que funcione, mesmo que seja um pouco mais caro”, diz Antonio Valdez, diretor de vendas da P&G.

A investida vêm na esteira dos pesados investimentos em publicidade feitos pela companhia nos últimos dois anos. Segundo Aedo, diretor de inteligência da empresa, ações com celebridades e apresentadores de TV com forte apelo junto à classe C, como Faustão, Luciano Hulk, Xuxa, Gisele Bündchen e Anderson Silva, aumentou fortemente o reconhecimento da marca no país. “Até 2010, apenas 10% dos consumidores reconheciam a marca”, diz.

Continuidade

Os lançamentos de agora seguem um movimento iniciado há cerca de três anos pela P&G, mas de forma mais tímida. No período, pesquisas de mercado no país resultaram no lançamento de oito novas marcas, que ajudaram a elevar as vendas em 23% no ano passado. De acordo com Valdez, o objetivo é manter o ritmo neste ano. Mas a companhia não divulga a receita no Brasil – no mundo, no ano fiscal finalizado em julho desse ano, a P&G faturou US$ 83,6 bilhões.

Leia mais: 60% dos novos empreendedores pertencem à classe C

Para dar conta do crescimento das vendas, nos últimos dois anos, a empresa inaugurou quatro unidades de produção no Rio de Janeiro. Ao todo, a P&G possui seis fábricas no Brasil. Cerca de 85% dos produtos são produzidos por aqui. “Só importamos o que estamos testando no mercado brasileiro, ou itens que ainda não possuem participação significativa no mercado, como alguns itens de Oral B”, diz a diretora de comunicação, Gabriela.

O Brasil já está entre os dez maiores mercados da companhia e é o segundo que mais cresce, atrás apenas da Índia. Mas, segundo Valdez, ainda há muito espaço para crescimento. Hoje, a P&G tem 24 marcas no país, 30% de seu portfólio. “Temos 250 marcas no mundo todo”, diz.

Leia tudo sobre: P&GEmpresas

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG