União Europeia aprova compra da EMI pela Universal sob condições

Negócio de US$ 1,9 bilhão é aprovado mediante venda de selos que representam Coldplay e Queen responsáveis por 30% das receitas da companhia britânica

Reuters | - Atualizada às

Reuters

Photo Rio News
Selo Parlophonne, do Coldplay, deve ser negociado pela Universal após acordo com autoridades

A Universal Music, do conglomerado francês Vivendi, obteve nesta sexta-feira aprovação da União Europeia para comprar a gravadora EMI por US$ 1,9 bilhão (R$ 3,85 bilhões) depois de concordar vender selos responsáveis por quase 30% das receitas da companhia britânica.

O grupo combinado, que inclui um amplo conjunto de artistas como Katy Perry e Pink Floyd, propôs a venda de ativos depois que autoridades da UE se mostraram preocupadas com o potencial poder de mercado da nova empresa.

A Universal informou que os ativos a serem vendidos representam 30% das receitas da EMI ou quase 10% das vendas do grupo combinado.

A empresa vai vender a Parlophonne, um dos selos mais prestigiados da EMI e que reúne artistas como Coldplay e Queen. Os Beatles não estão incluídos nas vendas de ativos.

Também dentro dos selos que serão vendidos estão Mute, Ensign e Chrysalis, EMI Classics, Virgin Classics e unidades da EMI na França, Espanha, Bélgica, Dinamarca, República Tcheca, Polônia, Portugal, Suécia e Noruega.

A Universal também vai vender as marcas Sanctuary, Co-Op Music, King Island Roxystar, MPS Recordes, participação na Jazzland e sua unidade na Grécia.

Especialistas da indústria fonográfica afirmam que o valor do pacote a ser vendido pode alcançar os US$ 750 milhões (R$ 1,518 bilhão).

A Comissão Europeia estipulou que os compradores dos ativos precisam ser gravadoras ativas ou com registro provado de atividade na indústria da música, para garantir que haverá um forte rival para a Universal.

Potenciais compradores incluem Warner Music, Sony Music, o grupo de investimentos KKR e o fundador da Virgin Records, Richard Branson.

O vendedor da EMI, o Citigroup, comprou a gravadora do grupo Terra Firma, quando ele não pagou empréstimos devidos ao banco de investimento. O acordo proposto vai consolidar a posição de liderança da Universal na indústria europeia da música.

Por Foo Yun Chee


Leia tudo sobre: emiuniversalgravadorasunião europeiamúsica

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG