A Gol formalizou com a American Airlines o acordo de compartilhamento de voos (code-share) que havia sido anunciado em julho deste ano. O contrato foi assinado na quarta-feira, em Dallas, nos Estados Unidos, pelos presidentes da Gol, Constantino de Oliveira Junior, e da American Airlines, Gerard Arpey.

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=economia%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237575509455&_c_=MiGComponente_C

O acerto será colocado em prática tão logo os órgãos regulatórios do setor aprovem a parceria.

O acordo de compartilhamento de voos adiciona mais cidades à malha da American Airlines no Brasil. Com 58 frequências semanais, a norte-americana é a companhia aérea com a maior oferta de voos entre os Estados Unidos e o Brasil, servindo atualmente cinco cidades brasileiras (São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador e Recife), com voos diretos a partir de seus principais centros de conexão nos Estados Unidos (Miami, Dallas/Forth Worth e Nova York). Já a Gol opera mais de 800 voos diários para 49 cidades no Brasil e 10 destinos na América do Sul e no Caribe.

As empresas já têm em curso um programa de milhagem. A partir de agosto deste ano, clientes do Smiles e do AAdvantage passaram a acumular milhas voando pelas duas companhias. Desde novembro, os clientes Smiles contam com a possibilidade de emitir bilhetes na malha aérea da American Airlines. O próximo passo, previsto para o início de 2010, possibilitará aos clientes AAdvantage emitir bilhetes prêmio nos voos da Gol.

Atualmente, a Gol tem cinco acordos de code-share em andamento, estabelecidos com AirFrance/KLM, American Airlines, Iberia, Aeromexico e Copa Airlines. Além disso, tem cerca de 60 acordos interline, por meio dos quais os passageiros podem adquirir bilhetes para todos os destinos operados pela Gol e por suas parceiras.

Em vez de retomar os voos internacionais de longo curso, a Gol tem optado por ampliar as parcerias comerciais, os acordos de compartilhamento de voos e os planos de integração de milhagem. Recentemente, o presidente da companhia afirmou que a concretização de parcerias com empresas estrangeiras poderia aumentar em pelo menos 3,5 pontos porcentuais a taxa média de ocupação dos voos a partir de 2010.

Leia mais sobre: companhias aéreas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.