Tamanho do texto

A montadora General Motors (GM) confirmou que pretende antecipar o pagamento do empréstimo de emergência de US$ 6,7 bilhões concedido pelo governo dos Estados Unidos, no final do ano passado, assim como os US$ 1,4 bilhão do governo canadense, com vencimento previsto em julho de 2015. O diretor executivo da GM, Fritz Henderson, em entrevista afirmou que pelo cronograma acelerado de pagamentos é possível que a dívida esteja liquidada até junho do ano que vem.

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=economia%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237573804489&_c_=MiGComponente_C

Em seu balanço do terceiro trimestre, a GM informou que, prevendo a aceleração dos pagamentos, pagará em dezembro uma parcela de US$ 1,2 bilhão da dívida com o governo dos Estados Unidos, do Canadá e de Ontário, que detêm 72,5% de participação na montadora.

Além disso, a GM anunciou que iniciou a devolução dos empréstimos tomados do governo alemão concedidos para dar suporte a Opel. Segundo a montadora, em novembro devolveu 500 milhões de euros (US$ 700 milhões) ao governo alemão e pagará os 400 milhões de euros (US$ 600 milhões) remanescentes até o final do atual mês.

A GM disse que até 30 de setembro, a dívida total da "nova" montadora somava US$ 17 bilhões, dos quais US$ 6,7 bilhões ao governo dos Estados Unidos, US$ 1,4 bilhão ao governo canadense, US$ 1,3 bilhão ao governo alemão e US$ 7,6 bilhões correspondentes a outras dívidas globais. Anteriormente à criação da nova GM, a dívida total da velha GM estava em US$ 94,7 bilhões até 9 de julho deste ano.

A GM recebeu um socorro financeiro de US$ 50 bilhões do governo dos Estados Unidos, maior parte dele correspondente a uma participação de 60% na montadora. O Tesouro dos EUA pretende começar a vendas tal participação após a "nova" GM realizar oferta pública inicial de ações. As informações são da Dow Jones.

Leia mais sobre: GM

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.