Tamanho do texto

SÃO PAULO - A Telefónica não tem conhecimento sobre quem foram os compradores das ações vendidas ontem da Portugal Telecom (PT). Segundo as informações da agência de notícias portuguesa Lusa, a espanhola enviou um documento à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) de Portugal, no qual afirma não conseguir informar quem foram os compradores destas ações, pois as vendas foram feitas por meio de intermediários financeiros. Ontem, a Telefónica surpreendeu ao anunciar que vendeu o equivalente a 8% do capital da PT, da fatia de 10% que detinha. No anúncio, a espanhola não especificou para quem vendeu os papéis, mas o mercado considerou a iniciativa como uma forma que aumentar os votos a favor de seu interesse na Vivo.

SÃO PAULO - A Telefónica não tem conhecimento sobre quem foram os compradores das ações vendidas ontem da Portugal Telecom (PT). Segundo as informações da agência de notícias portuguesa Lusa, a espanhola enviou um documento à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) de Portugal, no qual afirma não conseguir informar quem foram os compradores destas ações, pois as vendas foram feitas por meio de intermediários financeiros. Ontem, a Telefónica surpreendeu ao anunciar que vendeu o equivalente a 8% do capital da PT, da fatia de 10% que detinha. No anúncio, a espanhola não especificou para quem vendeu os papéis, mas o mercado considerou a iniciativa como uma forma que aumentar os votos a favor de seu interesse na Vivo. A iniciativa da espanhola gerou questionamentos, pois acontece a uma semana da assembleia geral de acionistas da Portugal Telecom, que vai decidir sobre a proposta da Telefónica pela Vivo. Diante disso, a CMVM pediu ontem esclarecimentos à espanhola. Outra questão colocada pelo mercado foi a possibilidade de a Telefónica ter que recomprar as ações vendidas, já que a proposta feita pela empresa pela Vivo inclui uma obrigação de vender à Portugal Telecom ou a um terceiro indicado por ela os 10% que detinha. A espanhola, por outro lado, também disse à CMVM que não há contratos de recompra feitos sobre essas ações e informou ainda que venda foi feita por meio de um contrato de "equity swap". Segundo a agência Lusa, a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) ainda analisa os contratos estabelecidos ontem pela empresa e dá prioridade a essa investigação. Em resposta à situação, o presidente executivo da PT, Zeinal Bava voltou a afirmar que o mercado de telecomunicações brasileiro é fundamental para a estratégia de crescimento da Portugal Telecom (PT). Ele acrescentou que a Vivo é a melhor forma de estar no Brasil e que a manutenção da companhia continua ser a prioridade da PT. (Vanessa Dezem | Valor, com agências internacionais)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.