Desavenças entre dono da Casas Bahia e rede de Abílio Diniz começaram poucos dias após o anúncio da fusão entre os grupos

As desavenças entre Casas Bahia e Pão de Açúcar começaram alguns dias depois do anúncio da fusão entre os grupos, em dezembro. Mesmo na presidência da nova empresa, Michael Klein precisava submeter suas decisões a Abílio Diniz, segundo fontes ligadas à família Klein. Quando o negócio foi fechado, combinou-se uma gestão compartilhada. Mas, em poucos dias, Michael dizia a amigos sentir-se como uma rainha da Inglaterra.

Nos últimos quatro meses, a insatisfação só cresceu. Um mês atrás, os Klein contrataram advogados para rediscutir o contrato e, nos últimos dias, Samuel Klein, o fundador da Casas Bahia, com 86 anos, assumiu as negociações ao lado do filho.

As conversas com Abílio e seus executivos tornaram-se mais tensas depois que o fundador entrou em cena. Em mais de uma reunião os Klein ameaçaram romper o contrato e desistir da fusão. Foi por isso que, nesta semana, o Pão de Açúcar aceitou rediscutir o negócio.

Os profissionais envolvidos na operação não enxergam uma saída simples. Para fazer todas as mudanças exigidas, seria preciso apagar tudo e fazer outro contrato.

O Pão de Açúcar, por outro lado, é uma companhia aberta, e tem limites para ceder. Nos últimos meses, suas ações foram negociadas num cenário determinado pelo contrato assinado em dezembro. Ou seja: se mudar, o grupo se arrisca a ser processado por acionistas minoritários.

Tudo isso torna o caso um dos imbróglios de fusão e aquisição mais complicados dos País. Procurado, o Pão de Açúcar não quis se manifestar. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.