O Brasil fabricou 309.629 veículos em maio, 6,6% a mais que em abril, mas vendeu 251.100 unidades, 9,7% a menos que no quarto mês

São Paulo, 8 jun (EFE).- O Brasil fabricou 309.629 veículos em maio, 6,6% a mais que em abril, mas vendeu 251.100 unidades, 9,7% a menos que no quarto mês do ano, informou hoje a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). Na comparação com maio do ano passado, quando o país começava a superar os efeitos da crise mundial, a produção de veículos (automóveis, caminhonetes, ônibus e caminhões) cresceu 14,9% e as vendas aumentaram 1,7%, segundo a entidade patronal. A produção acumulada nos cinco primeiros meses do ano chegou a 1,43 milhões de novos veículos, o que significa um aumento de 20,7% frente ao mesmo período do ano passado (1,19 milhões). As vendas de veículos novos no Brasil de janeiro a maio cresceram 14,6% e somaram 1,32 milhões de unidades, um recorde para o período. Os números dos primeiros cinco meses confirmam o Brasil como um dos seis maiores produtores mundiais de veículos e um dos quatro maiores mercados. O forte aumento da produção e das vendas nos primeiros meses do ano foi favorecido pelos incentivos concedidos pelo Governo para impulsionar o consumo e beneficiar um dos setores mais afetados pela crise mundial. Apesar de esses incentivos terem sido suspensos em março, a Anfavea prevê que o Brasil fechará o ano com um forte aumento na produção e na venda de automóveis. Os fabricantes consideram que o mercado interno já se recuperou e continuará crescendo mesmo sem incentivos e que as exportações também começaram a reagir. Segundo a Anfavea, as exportações de veículos brasileiros em maio subiram 38,1% em relação a abril e alcançaram as 68.163 unidades. De janeiro a maio, 288.146 veículos foram vendidos ao exterior, 78,6% a mais que no mesmo período de 2009. As exportações somaram US$ 1,18 bilhão em maio, com um crescimento de 27,2% frente às de abril, enquanto o acumulado do ano soma US$ 4,71 bilhões, 63,3% acima dos cinco primeiros meses do ano passado. EFE cm/bba

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.