Publicidade
Publicidade - Super banner
Empresas
enhanced by Google
 

PIB do Rio terá acréscimo de 0,5% com a Copa 2014

Percentual equivale a quase R$ 1 bilhão a mais de riquezas geradas no município, segundo estudo da Ernst&Young

Bruna Bessi, iG São Paulo |

A Copa de 2014, que será realizada no Brasil, fará com que o Produto Interno Bruto (PIB) do Rio de Janeiro tenha um acréscimo de 0,5%, segundo estudo feito em parceria entre a Ernst&Young e a Fundação Getulio Vargas (FGV). O incremento equivale a R$ 987,4 milhões, considerando-se a geração municipal de riquezas em 2010.

Divulgação
Ilustração de como deverá ficar o Estádio Beira Rio, em Porto Alegre, uma das sedes da Copa 2014: setor privado arcará com 58% dos investimentos que o evento exigirá

A pesquisa revelou ainda que as 12 cidades-sede receberão investimentos de infraestrutura da ordem de R$ 14,54 bilhões, e somente para a reurbanização e embelezamento das cidades serão gastos aproximadamente R$ 2,84 bilhões. “A Copa tem um caráter mobilizador muito grande, o que interligará diversos setores. As cidades-sede farão com que haja um aumento na movimentação e circulação dos visitantes. Isso proporcionará um desenvolvimento no setor aéreo, rodoviário, entre outros”, afirma José Carlos Pinto, sócio de assessoria da Ernst & Young.

O evento, que terá um custo estimado de R$ 29,6 bilhões, terá o setor privado como seu maior investidor (a participação será de 58%, ou R$ 17,16 bilhões). Os outros 42% ficarão a cargo do setor público, com um investimento de R$ 12,5 bilhões. “O importante é que houve um equilíbrio na divisão dos investidores. Isso ajuda na garantia de que se concretizarão. Quase metade dos investimentos virá do setor público, e já existe um cronograma a ser cumprido, há um planejamento”, diz Fernando Blumenshein, coordenador de projetos da Fundação Getulio Vargas.

Segundo o estudo, deverão ser quintuplicados os investimentos diretos realizados no Brasil para a viabilização do evento. O evento deve gerar receita adicional R$ 112,79 bilhões no País, considerando-se o "efeito cascata" que o consumo e os investimentos em um setor gerarão sobre os que estão interligados. A soma entre os R$ 29,6 bilhões em investimentos públicos e privados e os R$ 112 bilhões gerados por consumo e serviços dá os R$ 142 bilhões que o estudo estima que a Copa gerará para o País.

Outro benefício apontado é de que serão gerados 3,63 milhões de empregos durante a Copa e R$ 63,48 bilhões de renda para a população, o que terá grande impacto no mercado de consumo interno.

Diversos setores serão beneficiados pelo evento. Entre os que poderão tirar melhor proveito estão os de construção civil, alimentos e bebidas, serviços prestados às empresas, serviços de utilidade pública (eletricidade, gás, água, esgoto e limpeza urbana) e serviços de informação. No total, essas áreas deverão ter incremento da produção de R$ 50,18 bilhões.

Leia tudo sobre: copa do mundoernst&younginvestimentosrio de janeiro

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG