Publicidade
Publicidade - Super banner
Empresas
enhanced by Google
 

O Boticário entra na venda direta para brigar com Natura e Avon

Modalidade de comércio vai focar Eudora, nova marca do grupo, e tem como alvos as classes B, C e D, cujo consumo aumenta no Brasil

Raphael Gomide, iG Rio de Janeiro |

Divulgação
Ação de divulgação de O Boticário no metrô do Rio nos vagões exclusivos para mulheres, seu principal público-alvo
O Grupo O Boticário vai entrar fortemente no mercado nacional de venda direta, porta-a-porta, afirmou o presidente do grupo, Artur Grymbaum, nesta terça-feira, em palestra na Casa do Saber, no Rio. A iniciativa já nasce com dois fortes concorrentes, que atuam no segmento, Natura e Avon.

Maior rede franquiada de perfumaria e cosméticos do mundo, com 3.100 lojas no País e atuação em mais sete países,  a decisão de O Boticário é baseada em números. Em 2010, a venda direta foi responsável por 43,3% do comércio do setor no Brasil e teve crescimento de 15% em faturamento.

A nova modalidade de comercialização de O Boticário vai apresentar ainda a nova marca do grupo, a Eudora, que tem como foco a “sensualidade” da mulher brasileira e se volta mais especialmente para as classes B, C e D.

É justamente o alvo da Eudora e das vendas porta-a-porta, para a qual o grupo recebe inscrições de possíveis colaboradores (pelo site www.eudora.com.br). Nesses segmentos, ocorreu o maior crescimento de consumo de produtos de cosméticos e perfumaria no Brasil, terceiro maior mercado mundial – atrás apenas dos Estados Unidos e do Japão.

“Esses novos consumidores estão ávidos pela beleza, que os ajuda a ser incluídos socialmente”, explicou Grymbaum.

A Eudora terá as linhas “Casual”, “Descolada”, “Poderosa” e “Entre Quatro Paredes”, com produtos que variam de R$ 10,50 a R$ 200, disse Grymbaum.

O presidente do grupo promete uma venda porta-a-porta sob um novo modelo logístico, de características diferentes das tradicionalmente feita hoje por outras marcas. Grymbaum, entretanto, preferiu não detalhar como isso vai acontecer.

“Desenhamos isso em dois anos, baseados em pesquisas sobre hábitos de consumo, com o objetivo de agregar valor à marca Eudora. Queremos ter uma agilidade maior para pôr o produto na mão do consumidor”, afirmou o executivo.

A entrada na venda direta faz parte de uma nova estratégia de venda definida por Grymbaum como “multicanal” – lojas, comércio, eletrônica e revendedores porta-a-porta. O alvo principal da nova estratégia, é claro, são as mulheres. “Elas comandam a beleza de suas casas”, define Grymbaum.

46 milhões de consumidores entraram nas 3.100 lojas O Boticário no País e R$ 4,6 bilhões de faturamento em 2010, o que representou crescimento de 28% em relação ao ano anterior.

Leia tudo sobre: O BoticárioArtur Grymbaumvenda diretaporta-a-porta

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG